PROTEÇÃO CIVIL – Dispositivo contra incêndios apresentado hoje na Lousã

0
2
O lugar da
Pegada, em Foz de Arouce, é hoje palco, a partir das 15h00, para a apresentação
nacional do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF
2017), a nível nacional, numa cerimónia que é presidida pelo secretário de Estado
da Administração Interna, Jorge Gomes.

De acordo como
programa disponibilizado, vão ser feitas apresentações de cada um dos pilares
do Sistema de Defesa da Floresta Contra Incêndios, por parte de entidades como
o Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), Guarda Nacional
Republicana (GNR) e Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), havendo ainda
uma demonstração prática das acções de formação, envolvendo a Força Especial de
Bombeiros, Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro a GNR, Bombeiros
Voluntários, Sapadores Florestais e Forças Armadas
.
Aliás, os
militares vão desempenhar um papel importante na campanha de 2017, na medida em
que, 1.380 efectivos receberam 25 horas de formação, no sentido de poderem
intervir nos incêndios, nomeadamente nas acções de rescaldo e vigilância.
Ao que
conseguimos apurar, trata-se de reforçar este aspecto da intervenção, sendo o
objectivo final melhorar a capacidade do dispositivo na área das acções de
rescaldo e vigilância após incêndio, tendo em vista a diminuição do número de reacendimentos.
Este segmento
da intervenção tem ainda nova abordagem, principalmente ao nível da formação, por
parte dos bombeiros e sapadores florestais, nos distritos com maior incidência de
reacendimentos, em parceria com as Câmaras Municipais e Juntas de Freguesia.
Para este ano,
foi decidido que, especialmente na fase Charlie, os meios terrestres sejam
redistribuídos pelos distritos com elevada incidência de incêndios, nomeadamente
Braga, Viana do Castelo, Vila Real, com recurso a bombeiros provenientes de outros
distritos, havendo ainda três equipas de análise e uso do fogo e respectivos
veículos específicos de apoio.
Nesta fase de
maior risco, vão-se manter os 47 meios aéreos, tendo sido adicionado um helicóptero
de coordenação, destinado a acções de coordenação aérea.
Para os
operacionais no terreno, vai ser melhorada a capacitação técnica, através de acções
de formação e de treino operacional, envolvendo 7.899 bombeiros, havendo ainda
um reforço do apoio logístico, que sobe para 1.189 elementos.

José Carlos Salgueiro – Diário de Coimbra