POLITICA – Dirigentes e ativistas da JS reencontram-se em Coimbra para recordar “luta” partidária dos anos de 1970 e 1980

0
2
Realiza-se
no próximo dia 22, em Coimbra, o “Reencontro de dirigentes e ativistas da
Juventude Socialista – anos de 1970 e
1980. Trata-se de uma iniciativa reservada à
participação de cidadãos que, estando hoje no PS ou fora dele, estiveram juntos
na fundação e implantação da JS, num tempo cívica e politicamente rico para a
geração pós-25 de Abril.

Entre outros, a comissão organizadora
conta com as presenças dos atuais secretários-gerais da JS e do PS, Ivan
Gonçalves e António Costa, e de todos os líderes da organização entre 1975 e
1990: Alberto Arons de Carvalho, José Leitão, Margarida Marques e José
Apolinário. A eles se juntarão, igualmente, Carlos César, presidente e líder
parlamentar socialista, que nos primeiros anos de vida da organização juvenil
do PS por várias vezes integrou o respetivo Secretariado Nacional.
O
único ato público do programa será a colocação de uma placa “in memoriam” de
Mário Soares e Guilherme Pinto na sede da Federação Distrital de Coimbra do PS,
na Rua Oliveira Matos, n.º 21, prevista para as 17 horas. Esta será, muito
provavelmente, a sede mais antiga do PS em funcionamento, uma vez que já na
clandestinidade aí era desenvolvido trabalho político. Lá reuniu, algumas
vezes, a Comissão Nacional da JS na segunda metade da década de 70 do século
passado. Na sessão, intervirão Pedro Coimbra, presidente da federação
socialista conimbricense, António Arnaut, fundador do PS, e Margarida Marques,
fundadora e antiga líder da JS.
Aquele
espaço partidário foi a base de trabalho dos estudantes socialistas que
ganharam as eleições para a Associação Académica de Coimbra (AAC) em 1975,
contrariando o domínio até então exercido pelos estudantes afetos ao PCP
(organizados na UEC – União dos Estudantes Comunistas) e a várias formações de
extrema-esquerda. Em poucos dias, arquitetaram uma candidatura – que ficou na
história da AAC e do movimento associativo estudantil português como “lista D”

–, liderada por Clara Crabbé Rocha, filha do escritor Miguel Torga. Pouco tempo
após a posse, porém, a primeira mulher a presidir à prestigiada associação
coimbrã entendeu abdicar a favor de Henrique Fernandes, n.º 2 da lista, outro
dos participantes confirmados no evento.
Estará
também, assumindo o papel de anfitrião, Manuel Machado, atual presidente da
Câmara Municipal de Coimbra e da Associação Nacional de Municípios Portugueses,
também ele membro da candidatura promovida pela JS que esteve à frente dos
destinos da AAC em 1975/1976.
Este
Reencontro de dirigentes e ativistas da
JS – anos de 1970 e 1980 tem lugar, propositadamente, no dia seguinte à data
em que Guilherme Pinto, que estudou em Coimbra e se licenciou em Direito pela
sua Universidade, completaria 58 anos.
Uma
vez que o evento não é público, foi criado um grupo fechado na rede social
Facebook, a que só têm acesso antigos militantes da JS que ocuparam
responsabilidades de direção ao nível local, distrital ou nacional entre 1974 e
1990. Mais informações através do endereço eletrónico reencontro.js@sapo.pt.