SÃO PEDRO DE ALVA – O primeiro medronhal de produção certificado do mundo é penacovense

0
2





Uma exploração florestal de 20 hectares, no
concelho de Penacova, vai ser apresentada em Albergaria-a-Velha, no sábado,
como o “primeiro medronhal de produção certificado do mundo”.

Proprietário de várias
parcelas, onde começa, no próximo Outono, a produzir medronhos destinados ao
mercado de frutos frescos, em São Pedro de Alva, Penacova, o biólogo Carlos
Fonseca anuncia que o lançamento público do projecto vai realizar-se às 16h00,
no âmbito da 10.ª Expoflorestal.
Em 2013, este professor da
Universidade de Aveiro criou a Medronhalva, empresa que tem como actividade
principal a “cultura do medronheiro, tendo em vista a sua valorização
económica, social, ecológica e cultural”.
Actualmente, a empresa gere 20 hectares de medronhal, sendo que cerca de 10 hectares são
plantações ordenadas e outros tantos hectares são medronhais espontâneos,
devidamente conduzidos, tendo em vista a produção de fruto de qualidade e de
outros produtos
”, adiantou.
A gestão destes medronhais “é pautada por elevados patamares de exigência
e rigor sob o ponto de vista da sua sustentabilidade ambiental, económica e
social
”, segundo o também presidente da Cooperativa Portuguesa de Medronho,
com sede em Proença-a-Nova, fundada há três anos.
Essas propriedades
silvícolas, nas encostas sobranceiras ao rio Alva, afluente do Mondego, passam
a constituir “o primeiro medronhal do
mundo para produção de fruto a obter um certificado florestal
”, garantiu
Carlos Fonseca.
Para obter a certificação
das suas plantações, a Medronhalva associou-se ao grupo Unifloresta, que
intervém no domínio da certificação da gestão florestal.
O projecto visa, igualmente,
promover a floresta e potenciar o seu
uso múltiplo
”, assumindo um compromisso “com uma gestão florestal
responsável”, disse Carlos Fonseca.
Gerido pela empresa
Unimadeiras, o grupo Unifloresta regista actualmente 13 000 hectares de
floresta certificada, incluindo as propriedades da Medronhalva.
De acordo com as normas de
certificação internacionais, a Unifloresta monitoriza os espaços florestais “de
forma a garantir que a sua gestão é ambientalmente adequada, socialmente
benéfica e economicamente viável
”, segundo uma nota conjunta da Medronhalva e
da Unimadeiras.
Espécie arbustiva da
floresta mediterrânica, o medronheiro “contribui
grandemente para a biodiversidade
” e a prevenção dos incêndios, enquanto o
seu cultivo permite “dinamizar o mercado
de trabalho local
” e produzir um fruto com “alto valor para o uso múltiplo da floresta”.
A apresentação do projecto
de medronhal certificado, com intervenções de Carlos Fonseca e Jorge Loureiro,
presidente da Unifloresta, realiza-se no sábado, no pavilhão da Unimadeiras,
durante a Expoflorestal, feira que decorre de sexta-feira a domingo, em
Albergaria-a-Velha.