SOLIDARIEDADE – Linha 144 reforçada para dar apoio às vítimas

0
2


As vítimas dos incêndios da
região Centro têm agora ao dispor novas funcionalidade na Linha Nacional de
Emergência Social, que foi reforçada pelo Governo através do número 144. Um
número que, segundo nota do Governo, funcionará como «ponto central de apoio e de encaminhamento às populações afectadas
pelos incêndios
». Na prática, trata-se de uma triagem telefónica que
permite encaminhar as populações para o sítio certo consoante o problema
exposto.
Pelo
144 será possível às populações afectadas obter acompanhamento social,
subsídios eventuais, encaminhamento para resposta social, prestações sociais ou
apoios sociais específicos bem como apoio psicológico e encaminhamento para
cuidados de saúde. Através da linha, que funciona 24 horas por dia, sete dias por
semana, é ainda possível encaminhar os interessados para procedimentos
relativos ao óbito, heranças e partilhas, renovação de documentos perdidos,
certidões ou segunda via do documento único automóvel e obtenção de informação
sobre o cancelamento de veículos ardidos.
«A linha de apoio tem por
base o princípio de que o cidadão deve encontrar um ponto de contacto e
resposta imediata à sua exposição com o agendamento de uma data/hora para se
deslocar a um serviço da sua conveniência, onde o aguardam técnicos habilitados
para a resolução do problema específico identificado na triagem, telefónica
»,
esclarece, em comunicado, o Governo, sobre uma iniciativa que envolve os
ministérios da Justiça, Trabalho Solidariedade e Segurança Social e Saúde.

A
linha é mais uma acção a juntar às várias que têm vindo a ser criadas logo após
os incêndios. No Ministério da Justiça, por exemplo, foi criado um mecanismo
especial para simplificar os actos relativos aos veículos ardidos – automóveis,
tractores ou maquinaria agrícola – que dispensa procedimentos ou taxas e
possibilita o cancelamento oficioso de matrículas e registos destes veículos
sem necessidade de um pedido dos interessados e quaisquer deslocações às
conservatórias ou Instituto da Mobilidade e dos Transportes.

No caso da Segurança Social,
são atribuídos subsídios de caracter eventual, de concessão única ou de
manutenção, de apoio aos indivíduos ou às famílias que se encontrem em situação
de carência ou perda de rendimento e que necessitem de proceder a despesas necessárias
à sua subsistência. Na área da Saúde, há apoio psicológico nos três concelhos
mais afectados – Pedrógão Grande,
Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra
– assegurado por três equipas de
Saúde Mental Comunitária, com psiquiatras, psicólogos clínicos, enfermeiros e
técnicos de serviço social, bem como suporte de retaguarda nos serviços de
psiquiatria do CHUC.