RECURSOS HÍDRICOS – Bacia do Mondego (Aguieira) com menos água armazenada

0
2
A
barragem da Aguieira, situada no rio Mondego, concelho de Mortágua (
e Penacova), regista um dos mais baixos níveis de
armazenamento de água, dos últimos anos, situando-se nos 62,4 por cento em
agosto. É cerca de menos 12 a
13 por cento do que em igual período do ano passado e em relação à média anual
desta época do ano.



Situação
semelhante (em comparação com o ano passado), regista-se na quantidade de água
armazenada nas restantes quatro albufeiras da Bacia Hidrográfica do Mondego:
Fronhas (27,1%), Lagoa Comprida (74,4%), Caldeirão (59,1%) e Vale do Rossim
(38,3%), por ordem decrescente de dimensão e, portanto, capacidade de
armazenamento.

O Sistema Nacionalde Informação de Recursos Hídricos
(SNIRH) revela que
21 das 60 albufeiras
monitorizadas têm
disponibilidades
inferiores a 40 %

Ressalva-se,
contudo, que o volume de armazenamento da Lagoa Comprida está acima da média.
No total de capacidade da Bacia Hidrográfica do Mondego, a disponibilidade
hídrica é de 58,2 %, menos 10 % do que a média anual e do que em agosto do ano
passado (Aguieira e Fronhas são determinantes no conjunto, representando mais
do dobro da capacidade de armazenamento total). É uma percentagem acima das
bacias do Sado, Oeste e Arade, mas abaixo das restantes grandes bacias, como
são os casos do Ave, Guadiana, Cávado, Douro e Tejo.

Cabril e Castelo de Bode

Quando
a outras duas barragens da região Centro – situadas na Bacia Hidrográfica do
Tejo –, Cabril (Pedrógão Grande) está abaixo da média, com 48,6% da capacidade
máxima, mas Castelo de Bode (Tomar) está acima dos registos médios, com 80,1%.
No geral, a quantidade de água armazenada em agosto desceu em todas as bacias
hidrográficas de Portugal continental, comparativamente ao mês anterior,
segundo o Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH).

Os armazenamentos
de agosto de
2017, por bacia
hidrográfica,
apresentam-se
inferiores às médias
dos valores do
mesmo mês nos
períodos referência
de 1990/91
a 2015/16

Das
60 albufeiras monitorizadas, nove apresentam disponibilidades hídricas
superiores a 80% do volume total, mas 21 têm disponibilidades inferiores a 40%.
Em agosto, os níveis de armazenamento ficaram abaixo da média em nove bacias
hidrográficas e apenas três apresentaram valores superiores.

Em conclusão, os armazenamentos de agosto de
2017, por bacia hidrográfica, apresentam-se inferiores às médias dos valores do
mesmo mês nos períodos referência de 1990/91 a 2015/16, exceto para as bacias
do Cávado, Ave e Arade.

No
obstante estes baixos valores, não há quaisquer indicações de dificuldades de
abastecimento de água às populações.

António Rosado – Diário As Beiras