Incêndio na Livraria do Mondego mobilizou 145 operacionais

0
3


Chegou
a assustar, ontem à tarde, um incêndio florestal que lavrou no concelho de
Penacova, na zona da Livraria do Mondego, e que foi combatido por cerca de
centena e meia de operacionais, com o apoio de meios aéreos.
As
chamas surgiram por volta das 15h00, na margem direita do rio Mondego, e
rapidamente subiram as encostas escarpadas até uma zona de povoamento
florestal, onde o vento forte causou a sua rápida propagação. Aliás, o vento
ajudou o fogo a atravessar o rio, que galgou da margem direita para a margem
esquerda, progredindo em direcção à Serra da Atalhada. Uma mudança de rota que
dificultou ainda mais o trabalho dos bombeiros, numa «zona escarpada e de acessos difíceis», como sublinha o comandante
dos Bombeiros Voluntários de Penacova, António Simões.
A
mobilização rápida de meios, que chegaram a contabilizar 145 combatentes,
apoiados por 35 viaturas e seis meios aéreos, ligeiros e pesados, permitiu que,
pouco mais de duas horas depois do alerta, o incêndio fosse considerado
dominado, o que aconteceu por volta das 17h15. Seguiram-se as operações de
rescaldo e consolidação para evitar reacendimentos.
Além
de combater o fogo, os Bombeiros de Penacova tiveram de recorrer à utilização
de um barco para «resgatar, da Livraria
do Mondego, uma equipa de trabalhadores que procedia à limpeza daquela área
»,
adiantou o comandante.
De
resto, o trabalho desta equipa de limpeza, que utilizava máquinas de roçar, no
sopé da encosta, na margem direita do rio, poderá estar na origem das chamas,
que irromperam precisamente naquela zona.

Fonte Diário de Coimbra