POLÍTICA – Deputados do Bloco de Esquerda visitam concelhos afetados pelos incêndios no distrito

0
2

Os deputados José Manuel Pureza e Carlos Matias
visitaram os três concelhos do distrito de Coimbra mais severamente afetados
pelos incêndios: Oliveira do Hospital, Lousã e Penacova.


Em
cada um dos concelhos, reuniram com os respetivos presidentes de Câmara, que
fizeram um ponto da situação das medidas de recuperação dos danos sociais e
económicos resultantes dos fogos.
Os incêndios atingiram
inúmeras explorações agrícolas familiares, para as quais os mecanismos de apoio
estão inteiramente desadaptados. Com prejuízos acima dos 1053 euros, para serem
ajudadas, as famílias terão de recorrer aos fundos do PDR2020(link is external
(Programa de Desenvolvimento Rural), com mecanismos de candidatura muito
complexos. Se foi atingido um barracão, perdidas algumas alfaias, queimado um
motor de rega ou dizimados alguns animais, por exemplo, facilmente se
ultrapassa esse montante.
Assim, muita gente não pode ser ressarcida dos danos”, explicou
Luís Antunes, da Câmara da Lousã. E a pequena agricultura, com um enorme papel
económico e social, permanecerá extremamente debilitada.

Por outro lado, os próprios
apoios do PDR para a agricultura só vão até aos 50%, enquanto os apoios
comunitários para a indústria vão até 85%. “O diferencial dos 35% deveria sair
do Orçamento de Estado”, defendeu José Carlos Alexandrino, presidente da Câmara
de Oliveira do Hospital. “Só no meu concelho, essa diferença significaria mais
50 milhões de euros para a agricultura”, explicou o autarca aos deputados do
Bloco.

Por
onde lado, é preciso intensificar o apoio psicológico às populações. Apesar do
esforço dos profissionais no terreno, continua a faltar muita coisa.
Aqui, em Oliveira do Hospital houve muita gente que pensou ir morrer e
chegou a despedir-se da família. Ainda hoje, o meu filho de sete anos chora
sempre que vê ‘aquilo’ na televisão. Foi o terror total, com uma chuva de fogo…
”,
explicou uma jovem mãe aos deputados.
O Bloco de Esquerda
exprimiu a sua solidariedade com as populações afetadas e as suas autarquias.
Assumiu o compromisso de tomar todas as iniciativas necessárias para garantir
que os apoios de emergência para a recuperação de habitações, terras de cultivo
e empresas, bem como as medidas de reordenamento florestal, sejam implementadas
rapidamente
.