DIOCESE DE COIMBRA – D. Virgílio do Nascimento visitou Unidade Pastoral do Alto Concelho

0
3
Depois do Bispo de Coimbra, D. Virgílio do
Nascimento Antunes, ter sido recebido, uma semana antes, nos Paços do Concelho
de Penacova, conforme foi dada nota, dando assim o pontapé de saída da visita,
uma semana depois, às freguesias do concelho mais atingidas pelos incêndios de
Outubro.
E foi
precisamente na quinta-feira, dia 30 de Novembro, que D. Virgílio iniciou o
périplo da sua visita pastoral, às freguesias do alto concelho de Penacova, as
mais fustigadas incêndio outonal. E foi precisamente pelos territórios de S.
Pedro de Alva e S. Paio do Mondego, que constituem a União de Freguesias, que
deu início a essa visita, que se prolongou até ao dia 3 de Dezembro.
Em São Pedro de Alva, o Bispo foi recebido na sede da autarquia, pelas entidades locais e
concelhias, não deixando de, no Jardim-de-Infância, ter tido um diálogo
agradável com as 38 crianças, que é a população daquele estabelecimento pré-escolar.

«A proximidade do Bispo fará reconciliar muitos corações magoados»



Na sessão de
boas-vindas, depois do pároco da União, padre Manuel Pinto Caetano, dar as
boas-vindas a D. Virgílio, «
numa altura
em que a chuva veio amenizar o quadro triste que ensombrou a freguesia
», e
falar da solidariedade que se verificou, anotando que «
somos um povo que demonstrou união», foi o presidente da União de
Freguesias de S. Pedro de Alva/S. Paio de Mondego, Vítor Cordeiro, a dar uma
panorâmica sobre os territórios à sua guarda, realçando as potencialidades que
neles se desenvolvem, quer a nível social, económico, cultural e recreativo. Em
relação à visita do Bispo, referiu que a proximidade do Bispo «
fará reconciliar muitos corações magoados»,
dado os momentos dramáticos que as populações dos seus territórios viveram,
pois essa tragédia vitimou cinco vítimas mortais, quarenta e nove casas
atingidas, várias empresas destruídas, alguns barracões e anexos afectados e
destruídos e uma vasta área florestal e agrícola perdida, sendo «
números e imagens que pelas piores razões
marcarão as nossas memórias e história do alto concelho de Penacova
», mas
como estas gentes «
são feitas de uma
fibra forte em que a tenacidade e a coragem se aliaram
», como referiu Vítor
Cordeiro, acrescentando que «
nestes
tempos de grande tra­gédia e dramatismo trouxeram ao de cima o melhor que há no
coração de cada um, num encontro gigante de vontade, dádiva, entrega e
misericórdia
» e a finalizar entregou ao Bispo uma pequena oferta, que «sim­boliza exactamente a vontade destas
populações em crescerem ainda mais na vivência em comunidade e também a gratidão
de todos pela graça da presença entre nós, D. Virgílio
».

«Depois do dia 15 de Outubro a vida é diferente…»
São palavras
proferidas pelo vice-presidente da Câmara de Penacova, Dr. João Azadinho,
acrescentando que as pessoas estão diferentes, e, enquanto autarca, o «empenhamento e dedicação são totais, para
que tudo volte à normalidade dentro do espaço que por vezes passa das competências
de cada autarquia
».
«É
um trabalho de todos…»
O Bispo, nas
suas palavras de dor, mas também de ânimo, deixou a mensagem de que todos
trabalhem pelo bem comum e por isso «venho
juntar-vos a vós para vos dar apoio, numa partilha das vossas alegrias, das
vossas dores, que é a vossa história, que é minha história
». Falando da sua
visita, ela representa o caminho da paz, de encontro, de aproximação, de
diálogo e de cooperação, sempre «a favor do bem de todos», tanto mais que a
maior parte daquela comunidade, «é de
índole cristã
».

Visitas aos Transportes Beira- Aguieira, Centro Escolar, Casa do
Povo e Fundação Mário da Cunha Brito
De seguida o
Bispo e a sua comitiva visitaram a Empresa de Transportes Beira Aguieira, ali
representado pelo seu co-proprietário José Cordeiro e esposa, dando a nota de
que a empresa possui 45 viaturas e 55 funcionários.
Seguiu-se a
visita ao Centro Escolar de S. Pedro de Alva, com uma população de 78 alunos,
do 1.º ao 9.º ano, pelos quais foi D. Virgílio recebido com entusiasmo e alegria,
onde se juntaram todos os professores (30) e pessoal auxiliar (10), com o seu
director adjunto, António Marques, a dar as boas-vindas ao ilustre prelado, com
cânticos alusivos, da parte da juventude, onde o «Girassol» foi a planta
escolhida para oferecer a D. Virgílio. Após o almoço, ser­vido no refeitório da
escola, a visita prosseguiu.
A Casa do Povo
foi a instituição seguinte, onde o Bispo foi aguardado pelo seu presidente
Bruno Trindade e demais dirigentes. Depois foi a vez da Fundação Mário da Cunha
Brito, recebido pelo seu administrador, José Carlos Cordeiro, onde foi
celebrada missa dedicada aos doentes. Esta instituição possui cerca de 150
utentes, divididos entre Lar (60), Apoio Domiciliário (40), Centro de Dia (20)
e Creche (25), apoiados por 60 funcionários.
A visita deste
dia 30 terminou com a visita às zonas mais fustigados pelos incên­dios –
Lufreu, Cruz do Soito e Hombres – terminando em Silveirinho, com momento de
oração na capela de Santa Quitéria.
Nos
dias 1, 2 e 3 de Dezembro a visita prosseguiu, abrangendo as Uniões de Freguesias
de Friúmes/Paradela e Oliveira do Mondego/Travanca do Mondego, terminando esta
peregrinação pastoral na igreja matriz de Paradela da Cortiça, com o Encontro
com Conselhos Pastorais.
José
Travassos de Vasconcelos
– A Comarca de Arganil