PATRIMÓNIO – Mosteiro recebeu colóquio para assinalar o 2º aniversário da inscrição do Apocalipse do Lorvão na Unesco

0
3



Numa
organização conjunta da Câmara Municipal de Penacova, da Direção-Geral do
Património Cultural/Mosteiro de Alcobaça, da Direção-Geral do Livro, dos
Arquivos, do Departamento de História, Estudos Europeus, Arqueologia e Artes e
da Associação Pró-Defesa do Mosteiro de Lorvão, teve lugar no Mosteiro de
Lorvão, o Colóquio comemorativo do 2º aniversário da inscrição dos manuscritos
Apocalipse de Lorvão” e “Comentário ao Apocalipse do Beato de
Liébana
” do Mosteiro de Alcobaça, no Registo de Memória do Mundo pela UNESCO, no âmbito da candidatura ibérica “Os
Manuscritos do Comentário ao Apocalipse (Beato de Liébana) na tradição ibérica
”.

O Colóquio, que
contou
com a participação de Anabela Ribeiro (DGLAB); Maria Alegria
Marques, Saúl Gomes, Maria José Azevedo Santos e Francisco Pato Macedo
(Universidade de Coimbra / DEPHEAA); Inês Correia e Catarina Barreira (FCSH
Nova Lisboa / IEM); Ana Pagará (DGPC / Mosteiro de Alcobaça); Nelson Correia
Borges (APDML), realizou-se em estreita
colaboração com o Instituto de Estudos Medievais da
Universidade Nova de Lisboa.
Nas palavras de
João Azadinho, vice-presidente do município, e vereador da cultura da autarquia,
esta iniciativa teve como principal
objetivo dar a conhecer a excelência deste Património arquivístico, realçando o
elevado espírito de cooperação ibérica, que presidiu à construção desta
candidatura e que determinou o seu sucesso em outubro de 2015
”. Candidatura
essa considerada um exemplo de boas práticas no seio da UNESCO.
As comunicações
apresentadas versaram sobre o Mosteiro de Lorvão, abordando as representações
digitais dos documentos produzidos no Mosteiro de Lorvão, a partir do Arquivo
Nacional Torre do Tombo; os livros e a vida litúrgica em tempos medievais; a
materialidade dos códices aí produzidos; os modos de escrever e a chegada de
grafias da Europa, no século XII, nomeadamente a introdução da escrita carolina
e uma abordagem ao Apocalipse de Lorvão e os beatos peninsulares. De referir
que de acordo com Peter K. Klein é o códice mais completo dos manuscritos que
pertencem à mais antiga tradição pictórica do Beatus.



Os vários
palestrantes foram apresentando algumas sugestões para Lorvão, das quais se
destacam a proposta para a inscrição do Mosteiro de Lorvão como património da
humanidade e o aproveitamento da centralidade de Lorvão.