EXERCÍCIO – «Raiva Segura» testa capacidade dos bombeiros em salvamento aquático

0
3

Numa cooperação
entre os Bombeiros de Penacova, Aguda, Peniche, Soure, Cantanhede, Oliveira de
Frades, Sapadores de Coimbra, foram testadas as suas capacidades de
mergulhadores, em caso de salvamento em cursos de água; e como Penacova possui
dois importantes, como sendo os Rios Mondego e Alva, esta sua actividade tem o
seu quê de uma mais-valia em termos de socorro e salvamento.

Mas antes,
no auditório da Biblioteca Municipal de Penacova, teve lugar um Seminário sobre
«Salvamento em Meio Aquático, Percursos
e Perspectivas
», que antes teve a apresentação dos intervenientes no
Seminário, da parte do Comandante Prof. António Simões. Mas antes referiu que
este Seminário se inseria no plano de instrução e formação, como aliás tem
acontecido em anos anteriores, havendo sempre uma iniciativa para comemorar a
fundação da «constituição da nossa
Associação
», não havendo «melhor
forma de honrar aqueles que há 88 anos se organizaram para lhe dar corpo do que
fazê-lo com formação para melhor bem servir
» e neste andamento foi guardado
um minuto de silêncio pelos fundadores que já faleceram.



E foi Vasco Viseu, 2.º comandante dos
Bombeiros locais, a dissertar sobre «
Formação
e Treino – Necessidades e Acompanhamento, a Prática do Co­mando
», que deu
conta da realidade local, enquanto Marco Martins, licenciado em Engenharia da
Protecção Civil, 2.º Comandante dos Bombeiros de Óbidos, sendo técnico superior
de Protecção Civil daquele Município, falou sobre a sua vasta experiência na
Organização do Mergulho nos Bombeiros e na sua envolvente a creditação desta
área nos Corpos de Bombeiros, sobretudo a nível de distritos, com a criação de
delegações.



Já João
Domingos, mergulhador da Marinha, desde 1986, 10 anos no sector operacional e 2
anos no Centro de Medicina Hiperbárica, depois de 12 anos na Escola de
Mergulhadores, formador de militares, de bombeiros, de civis profissionais e
amadores, é actualmente mergulhador freelancer, com trabalhos na construção do
cais da refinaria do Lobito (Angola), na construção da ponte sobre o Rio Dão,
na requalificação das pontes Criz II e S. João de Areias, sendo ainda jogador
de Voleibol, integrando a Selecção da Marinha e Vodafone, com toda esta sua
experiência, tanto mais tendo formação internacional na Inglaterra e na
Escócia, falou precisamente sobre Segurança e Procedimentos no Mergulho, cuja
dissertação entusiasmou a vasta assistência, composta por numeroso grupo de
bombeiros e penacovenses em geral e autarcas, com destaque para o presidente da
Câmara, Dr. Humberto Oliveira e o vereador Ricardo Simões e o presidente da
Direcção da Associação, Paulo Dias.

Cunhedo foi palco do Exercício «Raiva Segura»

Depois do
almoço-convívio no quartel e após uma reunião com os grupos de mergulhadores, e
não só, que iam actuar sob a Ponte do Cunhedo, a jusante da Barragem da
Aguieira. Em ambiente fictício de despiste, foram retirados três veículos
«sinistrados», bem como as respectivas nove «vítimas», a uma profundidade de 10
metros, o que causou admiração e curiosidade.

Foi um
exercício que, com meios reais (LIVEX) de âmbito local, planeado e conduzido de
acordo com o Plano de Instrução do CB, tem como finalidade tes­tar a resposta
do Corpo perante a ocorrência de um despiste de acidente de viação, na
albufeira, no início do tabuleiro da Ponte do Cunhedo, entre Coimbra-Viseu, no
IP3, tendo envolvido também colaboradores da central hi­droeléctrica da Raiva.

Este teste
teve como finalidade treinar a estrutura operacional do CBV de Penacova, à luz
da norma em vigor e do que está estabelecido em Ordens de Serviço Internas, e
testar os contactos privilegiados com as estruturas da EDP, em particular do
complexo das barragens de Raiva e Aguieira.

Para este
exercício foi escolhido o local atrás referido, por ser uma zona com
características particulares e ter um histórico de incidentes muito forte.

José Travassos de Vasconcelos – A Comarca de Arganil