PREVENÇÃO – Seis mil aldeias vão ter plano de evacuação em caso de incêndio

0
1
O sino toca na localidade de
Vale Florido. A tradição rural portuguesa é de novo mantida com o toque a
rebate, como que a avisar a população de uma situação de protecção e socorro.
Incêndio aproximasse a grande
velocidade
“, ouve-se, de um altifalante. As portas da Associação
Recreativa e Cultural de Vale Florido abrem-se para que os habitantes se possam
concentrar e, momentos depois, contabilizar, numa acção do Oficial de Segurança
Local, também ele residente na aldeia. À porta, bombeiros e forças de segurança
avaliam se será necessário evacuar o espaço e encaminhar as pessoas para um
local mais seguro, longe do incêndio.

Poderia tratar-se de um relato
antigo, mas não há como ser mais actual. Este é o novo projecto de prevenção e
sensibilização de incêndios, que pretende tornar as aldeias portuguesas mais
seguras e capazes de dar resposta em situações de emergência, como a que
aconteceu em Junho do ano passado, em Pedrógão Grande e concelhos vizinhos.
Vale Florido, em Ansião, foi a aldeia escolhida para apresentar o projecto.
Durante os últimos dias, a população, maioritariamente envelhecida, foi
convidada a participar num simulacro para retratar o modo de procedimento a
adoptar em caso de incêndio. Na missa de domingo foi reforçado o convite, e
ontem, perante a presença do ministro da Administração Interna, Eduardo
Cabrita, ninguém faltou à chamada do sino da aldeia; houve até quem se fizesse
acompanhar de uma galinha poedeira, porque aqui nem os animais são esquecidos.

Programa
replicado no país

Os programas “Aldeia Segura
e “Pessoas Seguras” têm como principal alvo cerca de 6.000 aglomerados de 189
municípios que possuem freguesias de risco. O primeiro destina-se a estabelecer
medidas estruturais para protecção de pessoas e bens, enquanto que o segundo
promove acções de sensibilização para a prevenção de comportamentos de risco,
medidas de autoprotecção e realização de simulacros de planos de evacuação.

Cada aglomerado populacional
deverá ter um Oficial de Segurança Local – Silvério Teixeira é o de Vale
Florido -, que possa voluntariamente funcionar como agente facilitador entre o
município e a comunidade, e esse deverá ser um dos primeiros passos do programa.

Depois, há que transmitir à
comunidade o que terão que fazer perante situações de risco, e identificar
locais e circuitos de evacuação. Em cada localidade deverá ser definido um
abrigo e/ou refúgio (que poderá ser a sede de uma associação, uma escola
primária, um armazém ou outra infraestutura semelhante) e criar condições para
que possam receber a população, com “kits” de abrigo armazenados em caixas ou
mochilas, que deverão conter água e alimentos não perecíveis, estojo de
primeiros socorros, um rádio, lanterna, artigos de higiene, máscaras com
filtros de partículas, um apito (ou outro equipamento que emita um som forte) e
até artigos especiais para lactentes, seniores e pessoas com deficiência
.

O programa inclui simulações
com a participação dos habitantes e a avaliação da sinalética e respectiva
manutenção. Está também prevista uma campanha a nível nacional, com início em
Maio, que vai passar nas rádios, televisões, jornais e redes sociais, que tem
como tema central as medidas gerais de auto-protecção. O Ministério da
Administração Interna estima que os programas “Aldeia Segura” e “Pessoas
Seguras” sejam implementados já a partir do mês de Maio.
Bruna João Santos (texto) Rui Miguel Pedrosa (foto)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui