Um País à beira do abismo

0
2
Luís Pais Amante
Quem chegue a Portugal e não tenha vindo a assistir à impunidade que por aqui vai reinando ou não conheça, objectivamente, a letargia instalada nos “poderes” das Organizações, inclusivamente públicas, pensará que somos um País barato para passar uns diazinhos de férias e pouco mais…
A febre institucionalizada de nos colocar, praticamente, como uma “cama apetecível”,
geradora de receitas imediatas, que vão dando ilusões de crescimento económico,
a par do travão irresponsável nas despesas imperiosas, atinge hoje proporções
inaceitáveis e, efectivamente, levam a que os portugueses tenham que tomar
posições rápidas.
Vejamos:
– A Justiça está num caos absoluto, com os Tribunais em mudanças sucessivas; os Juizes a trabalhar insatisfeitos; os Procuradores às aranhas na teia das leis democráticas mas
perniciosas; os Funcionários sem vontade, desmotivados por promessas sucessivas
de alteração do status, que só pretendem iludir e as instalações e os meios num
estado absolutamente vergonhoso;
– A Saúde, essa também está num caos absoluto, com os Centros de Saúde em adaptações sucessivas; os Médicos a bater com a porta; os Enfermeiros a serem esbulhados diariamente e os doentes/utentes – que pagam ou pagaram tudo – a serem encaixotados nos corredores, independentemente de serem jovens, velhos ou crianças;
– A Educação – nosso futuro colectivo – por si só, apresenta-se mais ou menos capturada por interesses meramente corporativos a par do desnorte absoluto nas questões da
mobilidade e bem assim da indefinição na opção dos modelos, que mudam todos os
anos, sem falar na desgraça das instalações e dos actos nefastos das “parque escolares”;
– A Segurança, braço principal da administração interna, ultrapassa o caos e coloca-se próxima do colapso, se tivermos em linha de conta o problema dos incêndios e os episódio que se vão repetir; a falta de efectivos; o precário estatuto remuneratório dos
agentes e a desorientação instalada, que pretende dar a ilusão de que o show
off televisivo resolverá os problemas; 
E fiquemo-nos por aqui, hoje.
Mas, só com estes exemplos simples, que todos nós compreendemos sem dificuldade, a verdade é que o reverso da medalha está em campo, com espaço aberto para que os malabaristas singrem sem oposição: ele são os corruptos que crescem (em número e em volume dos valores envolvidos), agora já instalados transversalmente  em toda a sociedade (empresários, gestores, funcionários, autarcas, banqueiros, autoridades, advogados, juizes, procuradores, etc, etc); ele são os agentes desportivos, que parecem
sobrepor-se à lei e ao próprio Estado, que fazem “crescer” à sua volta forças pretorianas capazes de instalar a anarquia; ele são também e infelizmente os políticos que temos, na sua parte maior desligados do País real, ávidos por ganharem estatuto e à margem da defesa concreta das situações em colapso, que não querem, pura e simplesmente, ver ou apreender!
Uma coisa é certa:
assim não vamos lá!
Deixemo-nos de ser todos “Centeno”, “Adalberto”, “Vieira”, “Catarina”, “Jerónimo ” ou “Rio”, “Cristas” e “Marcelo”! 
Concentremo-nos no muito que há para fazer e saibamos o que há para exigir, exigindo…como se aprende nos apontamentos básicos do funcionamento das democracias… 
Luís Pais Amante, advogado