SÃO PEDRO DE ALVA – Padre Manuel Pinto Caetano celebrou 50 anos de sacerdócio

0
2
Foi em 19 de Maio de 1968 que Deus passou a contar com a disponibilidade do Padre Manuel Pinto Caetano, que ao longo destes 50 anos de sacerdócio o seu pensamento mais marcante na sua vida é «a pessoas humana enquanto tem vida tem sempre muito para dar, Deus nunca diz a ninguém: és um inútil e quando a pessoa está mais enfraquecida, Cristo quer identificar-se com ela: o que fizerdes ao mais pequeno dos meus irmãos é a mim que o fazeis» e ao virar-se para a família, afirmou que «quando alguém só te dá trabalhos é quando se torna mais precioso para ti».
As seis paróquias que o Padre Manuel
Caetano tem a seu encargo – Friúmes, Oliveira do Mondego, Paradela da Cortiça,
S. Paio do Mondego, S. Pedro de Alva e Travanca do Mondego – souberam estar
presentes em força, no passado domingo, dia 20, para além dos seus autarcas,
também as irmandades estiveram representadas, com realce para a Irmandade de
Nossa Senhora da Graça (Areias – Ferreira do Zêzere), bem como da Paróquia e
Centro Social de Lorvão, por onde também passou o Padre Manuel. As crianças da
escola, com a sua presença, quiseram dizer ao Padre Manuel o seu muito obrigado
pelos gestos amigos que lhes vai proporcionando no dia-a-dia.
O Rancho Folclórico Serra do Ceira
não faltou a cumprimentar o seu fundador
Além das paróquias acima citadas, o
Padre Manuel Caetano, quando veio de Angola, onde foi capelão militar, passou
pela paróquia do Colmeal, concelho de Góis. E ao chegar ali em 17 de Outubro de
1976, afirmou: «o meu serviço não é
prestado apenas na Igreja, tem-se estendido ao vasto campo da assistência
social, da promoção cultural e da formação integral do povo
». E na verdade,
para além de ter criado o Rancho Folclórico Serra do Ceira, que veio no
domingo, em força, prestar-lhe um gesto de agradecimento e reconhecimento,
através das suas danças e cantares, também o Centro Social do Colmeal lhe deve
muito, onde deixou obra e lutou pelos direitos de um povo, mas que por isso,
como disse, «teve que enfrentar alguns
“tubarões” e ter esperas nos caminhos de terra batida com a indicação: o senhor
meta-se na Igreja, este campo é para nós que queremos trabalhar
».

A sua obra prosseguiu, nas paróquias da
Baixa da Banheira e Vale da Amoreira, onde a sua acção pastoral e sobretudo
social também ficam a marcar estes seus 50 anos de sacerdócio, que continua a
vincar a sua personalidade de fazer bem, como na última edição de
A
COMARCA
ficou registado, ao ter ajudado um jovem na sua reabilitação
social.
Da capela de Santo António à Igreja
Matriz de S. Pedro de Alva

As cerimónias dos 50 anos de sacerdócio
do Padre Manuel Pinto Caetano iniciaram-se na capela de Santo António e em procissão
todos se dirigiram à Igreja Matriz, onde iria seguir-se a missa em louvor ao
aniversariante, perante plateia que preencheu totalmente o templo. Porém, antes
do início do cortejo, Bruno Trindade, em nome da Paróquia de S. Pedro de Alva,
pediu para que o padre Manuel «acumule
os dons do seu espírito e da saúde necessária para que possa continuar a missão
que Deus lhe confiou, servindo com generosidade as seis Comunidades Paroquiais
que lhe estão agora confiadas
».

Perante o representante do Bispo de
Coimbra, o Vigário-Geral da Diocese, Padre Jorge Santos, e outros párocos vizinhos,
que paroquiaram também aquela paróquia, decorreu então a eucariítia. Mas antes,
o Padre Manuel Caetano, mesmo em dia de festa sacerdotal, disse que a sua
missão não deixou de ter proporcionado, na parte da manhã, a cerimónia da festa
de 1.ª comunhão em Oliveira do Mondego, já que uma das crianças tinha que
seguir viagem, com seus pais, para o estrangeiro.

O Padre Jorge Santos, trazendo um grande
abraço do Bispo D. Virgílio, e um agradecimento profundo pela forma como foi
recebido durante a Visita Pastoral realizada em Dezembro de 2017 às paróquias
atrás referidas, vincando que ali se notava a união entre uns e outros, o
presidente da Assembleia de Freguesia, e membro da Comissão da Igreja de S.
Pedro de Alva, Dr. José Alberto Almeida Serra Santos, que fez parte da comissão
organizadora deste evento, salientou que este trabalho proporcionou uma aproximação
das seis paróquias, não falando da abertura que todas elas tiveram perante a
realização desta grande festa em louvor do seu sacerdote.

A finalizar as cerimónias, o Padre
Manuel Caetano teve a prova de quanto é querido no seu reino paroquial, pois
todas as representações religiosas e não só, ofereceram lembranças, uma delas
da parte da Câmara Municipal, ali representada pelo seu vice-presidente Dr.
João Azadinho. Porém, no átrio da igreja, a festa continuaria, com apurada
gastronomia, onde o convívio se manifestou ainda mais, vincado pela exibição do
Rancho Folclórico Serra do Ceira.

José Travassos de Vasconcelos – A Comarca de Arganil