POLITICA – Maurício Marques reeleito na distrital Social-Democrata com críticas ao governo socialista

0
1

O deputado Maurício Marques
foi reeleito para um novo mandato de dois anos à frente da distrital do PSD de
Coimbra, nas eleições, em lista única, realizadas na noite de sexta-feira,
disse o próprio à Lusa.

De acordo com Maurício
Marques, a lista por si liderada recolheu cerca de 45% dos votos dos 2.900
militantes inscritos no ato eleitoral, uma votação “com alguma dimensão“, embora sustente que por se recandidatar
em lista única “não houve uma
grande mobilização
” dos militantes.

O líder distrital
social-democrata frisou que o mandato que agora se inicia “coincide com uma nova liderança
no PSD nacional e prometeu trabalhar para preparar os atos eleitorais que se
avizinham no novo ciclo político, nomeadamente as eleições europeias (em maio
de 2019) e legislativas, que deverão decorrer entre setembro e outubro do
próximo ano.

Um dos objetivos passa pela
implementação do Conselho Estratégico Distrital de Coimbra – uma determinação
da direção nacional – que visa recolher contributos de personalidades “com alguma afinidade para com o PSD
em variados setores da sociedade, a incluir num futuro programa eleitoral
social-democrata.

Maurício Marques deixou
críticas ao Governo socialista, a quem acusa de estar “a falhar” com Coimbra na área da
saúde: “Coimbra autointitulava-se
‘capital da saúde’ em Portugal e tinha motivos para isso, os seus hospitais
destacavam-se pela inovação e eram referências, até mundiais, no setor
“.

Hoje esse capital acumulado está a ser esvaziado pela falta de
investimento, o CHUC [Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra] não tem
ainda todo o capital social realizado, há carências de toda a ordem nos
hospitais, a nova maternidade arrasta-se há anos e vemos profissionais de saúde
desmotivados
“, elencou Maurício Marques.

O líder distrital
social-democrata frisou ainda que no capítulo das acessibilidades “não há respostas do Governo” para
os problemas que afetam Coimbra, desde logo nas ligações ao interior, de que é
exemplo o concelho da Pampilhosa da Serra, que dista 75 km da sede do distrito
e a população demora bem mais de
uma hora na viagem, porque não há uma ligação em via rápida
“.

Nem os incêndios [de 2017] fizeram aumentar a sensibilidade do Governo
para com os problemas do interior
“, acusou Maurício Marques, que
liderou a autarquia de Penacova durante 12 anos, até 2009 e cumpre um segundo
mandato como deputado eleito por Coimbra.

Ainda nas acessibilidades, o
líder distrital do PSD aponta o caso “flagrante
da ligação rodoviária entre Coimbra e Viseu, lembrando que em 2005, há 13 anos,
fez “figura de figurante
numa tenda montada “à porta
da autarquia de Mortágua, onde o Governo socialista de então “apresentou uma ligação por autoestrada
entre Coimbra e Viseu
” que não se concretizou.

E este Governo do PS não se decide a fazer a autoestrada alternativa ao
IP3
“, frisou Maurício Marques.