TEMPO QUENTE – DGS alerta para temperaturas elevadas nos próximos dias

0
2
A Direção-Geral da Saúde
(DGS) alertou esta sexta-feira para a previsão de temperaturas elevadas
nos próximos dias e recorda que o calor pode ter efeitos negativos na saúde e
que a população se deve hidratar e manter as casas frescas. Numa
informação colocada no seu site, a DGS sublinha que a exposição ao calor
intenso pode ter efeitos negativos na saúde, como a desidratação e outras
complicações que podem ser evitadas e que “a
reação de cada pessoa à temperatura e os seus efeitos na saúde podem ser
diferentes
”.

Para proteger a saúde, a DGS
recomenda que, durante os dias mais quentes, a população se mantenha hidratada,
se proteja do calor, mantenha a casa fresca e fique em contacto e atento aos
outros. Recomenda ainda especial atenção, entre outros grupos, aos doentes
crónicos, crianças, idosos e pessoas com mobilidade reduzida e aconselha a
população a evitar zonas de poluição elevada, lembrando que “
as temperaturas elevadas e a poluição do ar
estão muitas vezes associadas
”.

Aconselha ainda a que
se evite a exposição direta ao sol, especialmente entre as 11h00 e as 17h00,
e as atividades físicas no exterior, principalmente nos horários mais
quentes. No exterior, recomenda à população que procure locais à sombra e
frescos, use roupas leves, claras e soltas, chapéu e óculos com proteção contra
a radiação UVA e UVB. Aconselha ainda o uso de protetor solar com índice de
proteção igual ou superior a 30 sempre que se estiver ao ar livre, renovando a
aplicação a cada duas horas.

Risco
extremo de exposição aos raios UV

Já esta sexta-feira, as
regiões da Guarda e Vila Real apresentam risco extremo de exposição à
radiação ultravioleta (UV) e o resto do país está quase todo com níveis muito
elevados, segundo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Nas
regiões com risco extremo o IPMA recomenda que se evite o mais possível a
exposição ao sol. O restante território de Portugal Continental está em risco
muito elevado, à exceção das regiões de Coimbra e Leiria, que apresentam risco
moderado de exposição à radiação UV.

Para
as regiões com risco muito elevado e elevado, o IPMA recomenda o uso de
óculos de sol com filtro UV, chapéu, t-shirt, guarda-sol e protetor solar, além
de desaconselhar a exposição das crianças ao sol.

Os índices UV variam entre 1
e 2, em que o risco de exposição à radiação UV é baixo, 3 a 5 (moderado), 6 a 7
(elevado), 8 a 10 (muito elevado) e superior a 11 (extremo). Para sábado,
segundo a informação disponível do site do IPMA, está previsto que o risco
extremo de exposição à radiação ultravioleta se mantenha na região da Guarda,
enquanto o restante território continental vai estar todo em risco muito
elevado.

O IPMA prevê para esta
sexta-feira vento forte na faixa costeira ocidental e nas terras altas e uma
pequena subida da temperatura mínima. As temperaturas máximas vão chegar
aos 33 graus em Évora e Beja, 32 em Castelo Branco, 31 em Faro e 30 em
Portalegre. Abaixo da faixa dos 30 graus de máxima estão cidades como Bragança
(29), Braga e Vila Real (28), Santarém (27), Sines e Viseu (26), Lisboa (24),
Coimbra (23), Viana do Castelo (22), Leiria e Porto (21).

Algarve
em risco máximo de incêndio

Os concelhos de Castro Marim
e Alcoutim, no distrito de Faro, estão esta sexta-feira em risco máximo de
incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Também
no Algarve, estão em risco muito elevado de incêndio os concelhos de Loulé, S.
Brás de Alportel e Tavira, assim como os municípios alentejanos de Almodôvar e
Mértola, no distrito de Beja. O IPMA coloca ainda em risco elevado, o terceiro
mais grave numa escala de cinco, nove outros municípios: Lagos, Portimão e
Silves (Faro), Odemira e Castro Verde (Beja), Mação (Santarém), Gavião e Nisa
(Portalegre) e Vila Velha de Ródão (Castelo Branco).

Alguns concelhos da região
interior Norte e Centro e o norte alentejano estão em risco moderado e o
restante território tem risco reduzido de incêndio, num dia em que o IPMA prevê
vento forte na faixa costeira ocidental e nas terras altas e uma pequena subida
da temperatura mínima.