Orçamento Participativo Português 2018: escolha os projetos para Portugal

0
1
O Orçamento
Participativo Portugal 2018 (OPP), programa
apoiado pela República portuguesa que incentiva as pessoas a apresentarem
propostas para melhorar Portugal (com caráter nacional ou regional),
encontra-se já na fase de votações. De 1417 projetos apresentados, 692
propostas de cidadãos portugueses com mais de 18 anos foram aprovadas. Qualquer
português e estrangeiro residente em Portugal pode eleger os seus projetos
favoritos. As ideias mais votadas, serão concretizadas pelo estado português.
Pode votar no máximo em 2 projetos até dia 30 de setembro.
São aplicados este ano 5 milhões de euros para o Orçamento
Participativo Português. E, tal como no ano passado, vão existir vencedores
para ideias que se aplicam a todo o país e para projetos regionais.
Graça Fonseca, secretária de Estado Adjunta e da Modernização
Administrativa, disse à Agência Lusa que: “Este ano tivemos um aumento de
cerca de 30% do número de propostas apresentadas face ao ano passado. O ano
passado tivemos cerca de mil propostas apresentadas em todo o país, este ano
ultrapassa as 1400”.
O interior não é esquecido
Entre as propostas que chegaram à fase final do Orçamento
Participativo Português, existem algumas que se referem ao interior do país,
zona que, tendencialmente, cai no esquecimento. Eis dois exemplos de propostas
que estão a votação:
Coimbra na Primeira Guerra Mundial” (número
63)

Este projeto, que concorre como número 63, consiste numa exposição
que visa dar a conhecer os combatentes oriundos do distrito de Coimbra que
combateram na I
Guerra Mundial
. Esta iniciativa vai percorrer todos os concelhos do
distrito de Coimbra (como Penacova, Pampilhosa da Serra, Góis). O prazo para
desenvolver este projeto é de 24 meses, tendo o custo de 90.000€.
“Roteiros Intermunicipais do Património da Região Centro” (número122)

Este projeto é direcionado para a população sénior dos concelhos
Condeixa, Lousã, Mealhada, Miranda do Corvo, Montemor-o-Velho, Pampilhosa da
Serra, Penacova, Soure e Tábua de modo a que cada sénior inscrito visite três
concelhos vizinhos, apoiados de guias locais com conhecimentos sobre cada
espaço a visitar e lhes prestassem as devidas informações adicionais, indicando
livros e ligações web de interesse sobre os locais.
Os Roteiros incluem três vertentes:

1. visitas ao património edificado e natural, no que concerne a fauna
e flora; 
2. experiências que valorizam a história, a etnografia, as tradições,
os usos e costumes locais;
3. provas da gastronomia local, como parte integrante do património
cultural imaterial.

Desta forma, promover-se-á a educação não-formal das pessoas
seniores, o convívio entre pessoas dos vários municípios acima designados, o
património da região, animando a economia local em torno de ações de promoção
do conhecimento.
O património que se pretende destacar em Penacova será o Mosteiro
de Lorvão; Lampreia, Arroz de Míscaros ou Peixinhos do rio (conforme época);
Museu do Moinho, Pérola Raul Lino e animação com etnografia local.

Os proponentes do projeto gostariam que cada sénior inscrito
visitasse três concelhos vizinhos, sendo aconselhável neste caso ter o apoio de
guias locais que tivessem conhecimentos sobre cada espaço a visitar e lhes
prestassem as devidas informações adicionais, indicando livros e ligações web
de interesse sobre os locais.
Para que cada espaço receba os seniores dos vários concelhos, será
necessário organizar previamente uma Bolsa de Viagens e um Cronograma de
Visitas ao longo do ano em articulação com as Câmaras Municipais envolvidas,
com as Universidades e Academias Seniores locais, com a Comunidade
Intermunicipal da Região de Coimbra ou com entidades de animação turística que
detenham conhecimento profundo do território.

O prazo para desenvolver este projeto é de 12 meses, tendo o custo
de 300.000€.
Todos os projetos a votação de 2018 podem ser consultados no site
do Orçamento Participativo Portugal, em www.opp.gov.pt.
No site está também disponível a lista dos 38 projetos vencedores
da I Edição do OPP, em 2017.