ACIDENTE – Animais à solta provocam choque frontal no IP3

0
3


A Associação de Utentes e Sobreviventes do IP3 acusa a
Infraestruturas de Portugal de “negligência
e abandono
” por não ter ainda reposto as vedações ardidas nos incêndios de
2017.

Num comunicado enviado ontem, a associação reafirma “a urgência de intervenção de forma a manter
a segurança
” e dá como exemplo para demonstrar o risco “mais um acidente grave motivado por uma
colisão frontal com uma vara de javalis ocorrida ao km 90 no passado dia 20
”.

Para a associação, o choque deve-se à falta de vedações
de proteção. “Passados dez meses sobre
os violentos incêndios de 15 de outubro de 2017, é inadmissível que as
infraestruturas de Portugal ainda não tenham recolocado as vedações de proteção
ardidas
”, afirma a nota assinada por Álvaro Miranda.

Desta vez foi
destruído o veículo desta família de cinco pessoas, entre as quais duas
crianças de dois e sete anos, e dois ou três javalis mortos. Este acidente
poderia ter sido evitado se as vedações ardidas já tivessem sido recolocadas
”,
reitera.

Além das vedações, a associação exige “sinalização e o
corte de árvores que corram o risco de cair para a via
”.

Agora que foi
lançado o primeiro concurso para a requalificação [do IP3] que comecem as obras
o quanto antes, porque as populações estão fartas de negligência e abandono
”,
apela o mesmo comunicado.