ASSOCIATIVISMO – Casa do Povo abre novos horizontes a diversas formas de cultura

0
4


Com atuações da Banda Filarmónica da Casa do Povo, do
grupo Tradicional de Cordas, do Grupo de Zumba da instituição e do “renascido”
Grupo de Teatro e Variedades, a Casa do Povo de Penacova (CPP) mostrou, ontem,
mesmo no centro da vila – Pérgola Raúl Lino – a vitalidade que a nova direção
lhe quer imprimir.

O presidente da coletividade, Álvaro Coimbra, explica que
A Casa do Povo, fundada nos ano de
1960, sempre teve um papel preponderante na área do bem-estar, cultura e
desporto
”, recordando a época em que estas instituições concentravam os
serviços de apoio social à população e até consultas médicas”.

Além disso a CPP distinguiu-se no desporto, “com grandes equipas de atletismo de fundo
do Inatel
”.

Atualmente a grande aposta é na cultura, motivo porque
ontem decorreu o designado “Open Day”.

Grupo
de Teatro e Variedades


O destaque do “Dia Aberto” foi para a apresentação do
Grupo de Teatro e Variedades. O grupo esteve inativo durante duas décadas,
passando agora “a ser uma das grandes
apostas da atual direção da Casa do Povo que quer, deste modo, recuperar o
valioso espólio deixado pelo mestre Alípio Borges
”, refere o presidente da
direção.

Alípio Borges foi o grande mentor do grupo teatral e
autor de grande parte dos textos e composições musicais. A família cedeu
recentemente, à Casa do Povo, o espólio do mestre que está a ser recuperado com
a intenção de levar à cena as obras mais relevantes de teatro de revista
produzidas, sobretudo, na década de 1980. O Grupo de Teatro e Variedades tem
como encenador José Martins, um ex-pupilo do mestre Alípio Borges. O elenco é
composto por novos atores e elementos que pertenceram à antiga formação. São
todos amadores, mas como uma enorme dedicação à arte.

Álvaro Coimbra, também jornalista, destaca “a coragem de atores dessa época que agora,
com 60 a 70 anos, voltam aos palcos, acompanhados pela nova geração
”. Foram
apresentados alguns sketches e temas musicais, compostos pelo mestre, que não
eram tocados há mais de duas décadas. Ambos fazem parte do espetáculo “Recordar
é Viver!” que já está em fase de ensaios.

O Grupo Tradicional de Cordas resgatou do esquecimento
temas do cancioneiro popular da região de Penacova, enquanto a centenária banda
filarmónica, regida pelo maestro Joel Rodrigues, assegurou o suporte musical do
grupo de teatro.

Álvaro Coimbra afirma que, nesta nova fase, a Casa do
Povo quer “ser um complemento à oferta cultural existente no concelho”,
acrescentando que “a centralidade da
sede, enbora o edifício esteja subaproveitado e a necessitar de obras, poderá ajudar
a atrair mais colaboradores
”.

António
Rosado
– Diário As Beiras

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui