BASQUETEBOL – CAD Coimbra/Chelo perde com GDESSA apesar da boa réplica inicial

0
6

Em jogo a contar para a 14.ª
jornada da Liga Feminina de Basquetebol, o CAD Coimbra/Chelo recebeu a formação
do GDESSA, 5.ª classificada do campeonato.



Entrou melhor a formação do
Barreiro, que aproveitou bem a desconcentração inicial das jogadoras da casa
para se colocar na frente do marcador. Só um desconto de tempo aos 3 minutos de
jogo devolveu a serenidade à equipa da casa e consequente melhoria da prestação
ofensiva, que lhe permitiu dar a volta ao marcador e conseguir uma vantagem de 3
pontos a um minuto do final. Os 7 lances livres falhados neste quarto foram
demasiados penalizadores e o resultado (13-14) não espelhava a boa prestação
das Cadistas.



O segundo quarto foi um
pouco do mesmo. O CAD Coimbra/Chelo, conseguia boas situações de lançamento,
sem, no entanto, ter a eficácia desejável, aproveitando o GDESSA para dilatar o
resultado. Aya Traore, novo reforço do CAD, mostrava pormenores de grande
qualidade, mas a falta de condição física, associada a uma natural falta de
entrosamento coletivo, acentuavam as fragilidades da equipa da casa. Chegou o
intervalo com o resultado em 25-33.



O terceiro quarto, foi
decisivo para o resultado final. As jogadoras do CAD Coimbra/Chelo defendiam
com qualidade, mas falhavam redondamente no ressalto defensivo, permitindo ao
adversário segundos e terceiros lançamentos. Foi a partir desta fragilidade que
as da casa perderam o controlo do jogo, permitindo uma vantagem de 20 pontos ao
adversário quando faltavam 4 minutos para o final do quarto. Uma vez mais, um
desconto de tempo e a mudança de defesa hxh para zona 2/3 foram o suficiente
para encurtar a distância no marcador para 11 pontos. A ineficácia na marcação
de lances livres pela equipa da casa continuou, aproveitando bem o GDESSA para
disparar no marcador para uns confortáveis 40-57.



O último quarto foi
totalmente controlado pelas forasteiras, que se limitaram a gerir o resultado,
vencendo com justiça um jogo em que a ineficácia das Cadistas da linha de lance
livre (13 em 25) e a falta de rotação do plantel limitaram por completo um melhor
desempenho.