ACESSIBILIDADES – É fundamental que o País se mobilize para a revitalização do interior

0
1

O Primeiro-Ministro António Costa afirmou ontem que a causa
da revitalização do interior deve ser defendida por todos durante todo o ano e
não apenas quando chega o verão «
e a tragédia dos incêndios alerta o País para
o abandono e para a dependência excessiva
» destas regiões.


Em Mortágua, na cerimónia de assinatura do contrato para a
empreitada de requalificação de um dos troços do IP3 (Penacova-Lagoa Azul), o
Primeiro-Ministro sublinhou que o Governo está a criar condições para que esta
revitalização «não seja uma soma de
palavras e possa traduzir-se num conjunto de atos que transformem efetivamente
o território
».

A melhoria de infraestruturas rodoviárias e ferroviárias,
os apoios para as empresas se instalarem em territórios de baixa densidade e um
melhor tratamento fiscal para estas empresas foram três das medidas destacadas
por António Costa durante o discurso.

No caso da melhoria da rodovia, a reabilitação do IP3 é
estruturante para as regiões de baixa densidade, ligando as principais cidades
da região Centro e assumindo-se como «uma peça muito importante» naquele que é
«um dos grandes desafios do País».

A empreitada de reabilitação deste troço do IP3 tem um
orçamento de 11,8 milhões de euros e terá um prazo de execução de 330 dias. No
total, o Orçamento do Estado contempla uma verba até 140 milhões de euros para a requalificação do IP3.

«Só o
emprego fixa e atrai população»

António Costa sublinhou que a aposta nas infraestruturas só
terá resultado se também for conseguida a atração de empresas. «Só o emprego fixa e atrai população»,
afirmou.

É necessário, por isso, criar melhores condições para
aproximar a oferta e a procura de emprego, apontando para casos de concelhos
onde há mais desempregados, mas menos oferta, e outros, no interior, que têm
dificuldade em encontrar pessoas para dar resposta às empresas que se vão
instalando.

«Há empresas que
precisam de contratar pessoal e muitas pessoas que sofrem de desemprego e
procuram emprego. Temos de fazer coincidir este movimento
», acrescentou,
mencionando o programa do Governo «Chave
na Mão
».

O programa «Chave na
Mão
» integra o pacote legislativo da Nova Geração de Políticas de Habitação e pretende
promover a mobilidade para a coesão territorial, facilitando a mobilidade
habitacional, no território e entre regimes de ocupação, de famílias residentes
em áreas de forte pressão urbana que se fixem no interior do País.