INICIATIVA – AAC e INATEL juntas a programar as Comemorações da Crise Académica de 1969

0
4


A Associação Académica de Coimbra e a Fundação INATEL
juntaram-se para dar os primeiros passos na projeção das comemorações dos 50
anos da Crise Académica de 1969. O presidente da associação estudantil de
então, Alberto Martins – ex-deputado e ex-ministro – foi esta manhã, no Porto,
convidado por uma comitiva da Direção Geral da AAC, liderada por Daniel Azenha,
e da Fundação INATEL, dirigida por Bruno Paixão, para integrar a iniciativa,
tendo nessa conversa o ex-dirigente aceitado o convite, dando a sua visão dos
acontecimentos que experienciou há cinco décadas, em que foi, inclusivamente,
preso.

Da agenda da reunião fez parte a discussão de um programa
das comemorações, que está a ser elaborado e em fase de construção, e que visa
prolongar-se ao longo de alguns meses, devendo iniciar-se em 17 de abril, o dia
em que há 50 anos não foi permitido aos estudantes o uso da palavra durante a
inauguração do edifício das Matemáticas, culminando com protestos, greve aos
exames, carga policial, detenções e a mobilização para a guerra do ultramar.

Daniel Azenha frisa que “esta é uma data que a AAC não pode esquecer. Se hoje temos em parte um
ensino livre e democrático, em muito devemos aos dirigentes da AAC de 1969 que
iniciaram um movimento de massas assumindo-se contra a ditadura
”.

De acordo com Bruno Paixão, a Fundação INATEL, enquanto
organização que visa preservar a memória da sociedade, “sente-se naturalmente
orgulhosa com a parceria e toda a cooperação que tem ao longo deste tempo
mantido com a AAC, com quem tem genuínas e excelentes relações, e entende que a
primazia das comemorações caberá aos estudantes”. Segundo o diretor da INATEL
em Coimbra, “estamos ambos abertos à
cooperação e à inclusão de outras entidades relevantes que queiram beneficiar
desta dinâmica gerada por nós e que já está em marcha, seria um gosto acolher
instituições e personalidades e, nesse sentido, estamos a diligenciar contactos
conjuntos que colham a concordância de ambos
”.

Do programa, que está ainda em construção, constam ideias
como uma recriação teatralizada dos acontecimentos, uma exposição de fotografia
e cartazes de intervenção em Coimbra e na Assembleia da República, acompanhada
por atuações da canção coimbrã, diversos espetáculos e outras várias
iniciativas que estão a ser projetadas e oportunamente serão divulgadas.