ASSEMBLEIA MUNICIPAL – Cultura aceite, acessos alternativos ao IP3 analisados

0
3

No dia 28 de Março findo reuniu, em sessão extraordinária,
a Assembleia Municipal de Penacova, sendo o 1.º ponto relacionado com a
aceitação, ou não, em termos de transferência de competências. A área da
Cultura teve aprovação, enquanto a área da Protecção e Saúde Animal e Segurança
dos Alimentos foi rejeitada pelo executivo, com o aceno positivo da assembleia,
embora nos próximos anos não se possa vir a concretizar essa aceitação e foram
analisados os acessos alternativos ao IP3 na zona de Oliveira do Mondego.

Neste âmbito, alguns deputados falaram da importância da
Cultura, dado que o concelho tem no seu espólio histórico-cultural um grande
emblema, que é o Mosteiro de Lorvão, que aceitando esta competência, como referiu
Conceição Veiga, «é-nos dado mais
responsabilidade, tendo como ponto alto o referido Mosteiro
», deixando a
nota de que «o Museu deve ser aberto»,
enquanto Mauro Carpinteiro concorda com a não aceitação da competência
rejeitada, mas que deve ficar em atenção dado que está em projecto a construção
de um canil, dizendo que, em relação a estas transferências, «o Governo dá uma mão cheia de nada»,
tanto mais que «os Moinhos e o Mosteiro
de Lorvão são espaços que devem ser colocados a favor da comunidade
». Para
Ilda Simões, «esperava mais do que
aceitar apenas a Cultura
».

O Presidente da Câmara, Humberto Oliveira, em resposta,
disse «estarmos preparados para aceitar
a Cultura
», embora agora tivesse surgido um contratempo que tem a ver com a
solicitação de um projecto contra incêndios, no Mosteiro de Lorvão, que é
preciso desbloquear, dado que estão em causa fundos comunitários, e por isso há
que haver responsabilidades da parte da administração «que falhou», e
posteriormente, «se não formos
prejudicados, podemos receber a Saúde e a Educação
».

Sobre o segundo ponto, que dizia respeito à discussão e
votação da proposta de reconhecimento de Interesse Municipal – IP3 Nó de Penacova
(km 59/000) desde a ponte sobre o Rio Dão (km 75+160) – Intervenções relativas
ao de­senvolvimento dos Nós de Oliveira do Mondego e Cunhedo e caminho
florestal, que vai ser requalificado, tem por finalidade desenvolver acesso
alternativo enquanto as obras de requalificação do IP3 vão decorrer naquele
traçado, sem prejudicar as populações, como disse o Presidente da Câmara.

O Presidente da Câmara, em relação às alternativas de
acesso enquanto decorrerem as obras no IP3, na zona de Oliveira Mondego, deixou
claro que as populações não devem ser prejudicadas.

José Travassos de Vasconcelos – A Comarca de Arganil