MEDRONHO – Lançado manual que divulga potencialidades do fruto em Portugal

0
2

A Redes Energéticas Nacionais (REN), a Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC) e a Cooperativa Portuguesa do Medronho (CPM) divulgam em Manual a importância de um fruto silvestre “com elevado potencial na indústria agroalimentar, na cosmética e como medicinal ou ornamental“.

Nesta segunda edição da obra, dirigida a produtores e
proprietários de terrenos agrícolas, as entidades promotoras fazem “a caracterização da planta e a sua cultura,
abrangendo a instalação, manutenção, práticas culturais e colheita do fruto
“,
refere a REN em comunicado.

Este manual
é uma ferramenta importante para os proprietários dos terrenos que contactamos,
para promoção de uma espécie que incluímos na gestão da vegetação existente nos
corredores das linhas de transporte de energia, de forma a alongarmos os
períodos de manutenção e possibilitar um maior rendimento aos proprietários dos
terrenos
“, explica o responsável da Área de Servidões e Património da
empresa, João Gaspar.

Além destas vantagens, “promove-se ao mesmo tempo a defesa da floresta contra incêndios“,
sublinha.

O lançamento do “Manual do Medronho“, a segunda edição em menos de um ano,
vem confirmar a relevância e o
interesse generalizado por esta cultura mediterrânica que, no país, vai
ganhando cada vez mais expressão, não só em termos do número de produtores,
como de área plantada
“, realça, por sua vez, o presidente da CPM,
Carlos Fonseca, professor da Universidade de Aveiro.

No prólogo, recorda que, em 2017, a REN e a Cooperativa
Portuguesa do Medronho celebraram um protocolo com o objetivo de promoverem em
conjunto de “plantações ordenadas de medronheiros nas áreas de
servidão
” daquela empresa de serviço público.

Neste
manual, estão condensados os conhecimentos atuais sobre a cultura do
medronheiro, tendo um cariz técnico e de campo
“, salienta ainda o
produtor e biólogo Carlos Fonseca, citado na nota.

De acordo com Filomena Gomes, investigadora da ESAC, tem
sido “possível responder às
primeiras necessidades dos produtores e dos técnicos
“, num processo
que tem contado com alguns apoios financeiros públicos.

No entanto,
há ainda um longo caminho a percorrer, para responder aos ambientes diversos da
cultura e ao seu potencial de transformação e valorização
“, ressalva.

Para a publicação do “Manual do Medronho“, além das três entidades mencionadas,
contribuíram também diversas instituições de investigação e desenvolvimento
(I&D), associações e empresas ligadas à fileira do medronho.

Faça download do manual aqui.