REGIÃO DE COIMBRA – CIM sensibiliza a população para os comportamentos de risco no período crítico de incêndios

0
6

Realizou-se hoje (1 de julho), em Penela, a apresentação
pública do projeto “Região de Coimbra,
Sempre Verde
”, que tem como objetivo sensibilizar a população para os
riscos de incêndios rurais, através da distribuição de folhetos com as boas
práticas a adotar pelas pessoas e na divulgação de vídeos nas redes sociais.

A apresentação contou com a presença do Vice-Presidente da
CIM Região de Coimbra, Carlos Monteiro, do presidente da Câmara Municipal de
Penela, Luís Matias, do Vice-Presidente da Câmara de Penacova João Azadinho, entre outros representantes dos municípios da CIM, da representante da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa,
Luísa Santa Bárbara e do Comandante Operacional Distrital de Coimbra, Carlos
Luís Tavares.

«As queimas são um
dos maiores fatores de incêndios e as pessoas devem saber que há alternativas»,
sublinhou o vice-presidente da CIM, Carlos Monteiro, salientando que a campanha
é uma «tentativa de uniformizar comportamento
» nos 19 concelhos da região.

Durante a sua intervenção, o Comandante Distrital de
Operações de Socorro, Carlos Luís Tavares, referiu que os «incêndios não se combatem, evitam-se», salientando que todos os
cidadãos «têm de perceber que se tem de
evitar as situações de risco
».

Frisando que a sensibilização é muito importante, o
presidente do Município de Penela, anfitrião da cerimónia, alertou que é
preciso perceber a arquitetura da Proteção Civil «para cada um saber o seu papel».

«Sem planeamento e
ordenamento florestal não é possível uma política eficaz de combate aos
incêndios. É preciso planear e organizar melhor e depois estruturar
»,
frisou Luís Matias.

No final, foi realizada uma ação de sensibilização junto da
população da freguesia do Espinhal, em Penela.

O projeto “Região de
Coimbra, Sempre Verde
” tem a duração de um ano. Nesta primeira fase, sob o
tema “Por uma Região sem incêndios”,
vão ser distribuídos, por cada um dos concelhos, cinco mil folhetos (com uma
versão em inglês para sensibilizar os turistas) e afixados cartazes em
edifícios públicos. O projeto é totalmente suportado pelo Fundo Recomeçar,
financiado pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.