CULTURA – Conselho Intermunicipal da CIM RC apoia candidatura de Coimbra a Capital Europeia da Cultura 2027

0
6
A candidatura de Coimbra a Capital Europeia da Cultura
de 2027 vai ser “pensada e montada” a partir do slogan
Correntes de mudança“, anunciou hoje o grupo de trabalho responsável
pela candidatura, liderado pelo mágico Luís de Matos.

A determinação da candidatura é mostrar que a ideia
de mudança está inscrita no ADN da cidade, lhe é consubstancial, e sempre o foi
ao longo dos tempos, marcando todos os eventos da sua história
“, disse
Luís de Matos, numa comunicação no Museu Nacional Machado de Castro.

Na quarta comunicação pública do Grupo de Trabalho Coimbra
2027, o mágico português salientou que o slogan “espelha assim o
incontornável desígnio da cidade de Coimbra, inscrevendo-se num contínuo e
histórico processo de mudança
“.

A base da intervenção passa por “criar condições de
continuidade de um pensamento de vanguarda, numa trajetória, nacional e
europeia, que recupera etapas fundamentais de um percurso passado e cria
condições de construção de uma permanência e de um devir
“.

O antigo delegado regional da Cultura do Centro, Pedro
Pita, que integra o grupo de trabalho, salientou que a “chave de
intervenção pretende acentuar a ideia de mudanç
a” como algo positivo.

Na apresentação, o grupo anunciou a realização de um
inquérito às práticas de participação cultural da população do concelho de
Coimbra, que será executado pelo Centro de Estudos Sociais da Universidade de
Coimbra.

O inquérito, segundo Carina Gomes, vereadora da cultura da
Câmara de Coimbra, deverá ter uma amostra superior a mil inquéritos
distribuídos por todas as freguesias do município.

A auscultação pretende efetuar um diagnóstico “amplo e
completo sobre as práticas e as disponibilidades para a participação cultural
da população, as características do tecido cultural local e a atividade, as
expectativas e os projetos dos agentes e organizações culturais que o
integram
“.

De acordo com a autarca, a auscultação deverá estar
concluída e tratada até final do ano ou início de 2020, a tempo dos resultados
serem comunicados na apresentação pública agendada para 24 de janeiro.

Luís de Matos anunciou ainda que, em março de 2020, vai
decorrer, em Coimbra, o segundo Fórum Cidades Capital, com a participação das
cidades europeias já selecionadas como capital europeia da cultura entre 2020 e
2025 na Croácia, Roménia, Lituânia, Hungria, Estónia, Irlanda, Grécia,
Luxemburgo, Sérvia e Noruega.

O coordenador do Grupo de Trabalho Coimbra 2027 disse ainda
que não existe financiamento nem modelo de gestão pensado para a candidatura de
Coimbra, embora estejam a ser estudadas candidaturas de outras cidades que
viram os seus projetos aprovados.

Orçamento, não temos, mas ideias temos“, disse
Luís de Matos, salientando que ainda não houve “necessidade de ter um
orçamento, porque o que importa agora é perceber as reais necessidades
“.

A Capital Europeia da Cultura é uma iniciativa da União
Europeia, com o objetivo de valorizar a riqueza e a diversidade das culturas
europeias.

Desde a sua criação, em 1985, o projeto já ocorreu em 58
cidades, três das quais portuguesas: Lisboa (1994), Porto (2001) e Guimarães
(2012).

Em 2027, uma cidade de Portugal e uma da Letónia vão ter o
título de Capital Europeia da Cultura. A decisão deverá ser conhecida em 2024.