APAV apoiou mais de 43.000 vítimas de violência doméstica em cinco anos

0
7

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) registou
em cinco anos mais de 100.000 crimes em contexto de violência doméstica e
apoiou mais de 43.000 pessoas, a maioria (86%) mulheres.


Num conjunto de estatísticas que abrangem o período
2013-2018 divulgadas hoje, Dia Internacional para a Eliminação da Violência
contra as Mulheres, a APAV lembra que registou um total de 43.456
processos de apoio a pessoas vítimas de violência doméstica, o que se traduz
num total de 104.729 crimes.

Com idades compreendidas entre os 26 e os 55 anos (cerca
de 42%), as vítimas de violência doméstica eram sobretudo mulheres casadas
(33,7%) e pertenciam a um tipo de família nuclear com filhos/as (41,2%).

Tendo em conta o tipo de problemáticas existentes, prevalece
o tipo de vitimação continuada em cerca de 80% das situações, com uma
duração média entre os dois e os seis anos (16,9%). Os dados da APAV indicam
que a residência foi o local mais escolhido para a “ocorrência dos
crimes” em cerca de 64% das situações.

Já as queixas/denúncias registadas ficam-se nos 41,2%
face ao total de autores/as de crime assinalados.

As vítimas continuam a ser maioritariamente do sexo
feminino – cerca de 86 % – a mesma percentagem de autores do crime/agressores
do sexo masculino.

O fenómeno
da violência doméstica contra as mulheres abrange vítimas de todas as condições
e estratos sociais e económicos. A violência – física, psicológica, sexual,
financeira — não pode ser tolerada
“, sublinha a APAV.

No âmbito do Dia pela Eliminação da Violência contra
as Mulheres, a APAV refere que se associa à campanha #Ditados
Impopulares, promovida pela República Portuguesa e pela Comissão para a
Cidadania e a Igualdade de Género (CIG), e promove exposições, sessões e ações de
sensibilização por todo o país, através dos seus gabinetes de apoio à vítima.

Os dados divulgados na passada sexta-feira pelo Governo
indicam que 33 pessoas foram mortas este ano em contexto de violência
doméstica, entre 25 mulheres adultas, uma criança e sete homens.

Segundo revelou a ministra da Presidência, Mariana Vieira
da Silva, entre janeiro e setembro deste ano, comparando
com o período homólogo do ano passado, houve “um aumento de mais de 10% das ocorrências participadas à PSP e
à GNR”, além de um “aumento da capacidade de resposta da rede
nacional de apoio às vítimas de violência doméstica, que tem hoje uma subida
nos atendimentos na ordem dos 23%”.

No mesmo dia, a União de Mulheres Alternativa e Resposta
(UMAR), num balanço dos últimos 15 anos, indicou que foram assassinadas neste
período mais de 500 mulheres em contexto de relações de intimidade e que, só
este ano, morreram 28, algumas baleadas, outras estranguladas ou espancadas.

Os dados do Observatório de Mulheres Assassinadas (OMA),
da UMAR constam do relatório preliminar apresentado em Lisboa e que
mostra a realidade das mulheres assassinadas em Portugal desde 01 de janeiro até
ao dia 12 de novembro.

Nesse período, e tendo como fonte as notícias publicadas
na imprensa nacional, o OMA contou 28 mulheres assassinadas em
contexto de relações de intimidade ou familiares, além de outras duas mortas em
diferentes contextos, e 27 tentativas de homicídio.

Contas feitas, significa que, em média, houve três
mulheres assassinadas todos os meses e uma média de cinco mulheres vítimas de
formas de violência extrema.
Numa mensagem por ocasião do Dia Internacional para a
Eliminação da Violência contra as Mulheres, que hoje se assinala, o
primeiro-ministro defendeu hoje que todos os cidadãos devem “meter a
colher” para eliminar a violência contra as mulheres.

Todos nós em sociedade, cada um de nós, tem a
responsabilidade de na sua família, nos seus vizinhos, nos seus colegas, entre
os seus amigos não tolerar, não pactuar, não silenciar e de meter mesmo a
colher para eliminarmos a violência sobre as mulheres
“, afirmou António
Costa.

Cada um de
nós tem o dever de agir. O provérbio tradicional que entre marido e mulher não
se mete a colher não é aceitável. Aquilo que é dever de cada um de nós é
metermos mesmo a colher. É um dever de cada um
“, sublinhou.