PROTOCOLO – Município de Penacova cede antiga escola primária da Riba de Baixo à Associação Sons do Mondego

0
0

A Associação Musical Recreativa e Cultural Sons do
Mondego –
que comemora a 1 de dezembro o seu 1.º ano de existência – vai ter à
disposição um espaço no concelho de Penacova, onde vai funcionar a sua sede.

Trata-se da antiga escola primária de Riba de Baixo, um
edifício que vai ser cedido para o efeito pelo Município de Penacova, através
de um protocolo a assinar no dia de aniversário, em Carvalho. Contando ao Jornal que “vai-nos ser cedido
um espaço para fazermos a nossa sede e começarmos a desenvolver as nossas
atividades
”, Paulo Rodrigues explicou, no entanto, que a antiga escola
primária de Riba de Baixo – constituída por duas salas, sanitários e uma
cozinha – está inativa há alguns anos e “vai
necessitar de algumas obras
”.

Perante esta necessidade de melhoramentos, o presidente
da Associação Sons do Mondego revelou que “serão
necessários cerca de cinco mil euros
”, uma vez que “há infiltrações de água nas salas, as janelas e as portas estão
bastante degradadas, é necessário também o arranjo do chão, melhorar as salas e
colocar uma salamandra para o inverno
”, sustentou.

Dando a conhecer que, atualmente, “ensaiamos e reunimos nas nossas garagens e, sempre que temos
oportunidade, fazemos os ensaios ao ar livre
”, o dirigente aproveitou para
apelar para que as pessoas se tornem sócios e para que participem no almoço
comemorativo do próximo domingo, que vai ter lugar no Salão Paroquial de
Carvalho, cujas receitas vão reverter a favor da associação.

Estamos agora a
começar o nosso trabalho e tentamos com estes eventos angariar fundos
”,
afirmou o também músico, adiantando que “
estão inscritas 150 pessoas
”.

Paulo Rodrigues confessou que “neste momento, só temos cerca de 20 por cento dos cinco mil euros que
necessitamos para criar a nossa sede
”, aproveitando a ocasião para anunciar
que, no dia do aniversário, “temos
também T-shirts à venda
” cuja receita reverterá para a causa. “Queremos comprar um transporte para as
nossas deslocações e para pôr a escola de música a funcionar
”, desvendou,
esclarecendo que para se deslocarem para as atuações “temos de alugar o transporte”.

O dirigente concluiu que “queremos implementar uma escola
de música para aprender a tocar também instrumentos tradicionais, como a
gaita-de-foles e bombos
”.



Fonte: Diário As Beiras