ACESSIBILIDADES – Problemas no IP3 só se resolvem com ligação sul à A13, diz autarca de Vila Nova de Poiares

0
0


O que está a acontecer no IP3 vem dar-nos razão; ou seja,
estão a fazer-se obras para o que será, supostamente, uma ligação em perfil de
autoestrada, mas que, inevitavelmente, afunila na zona de Penacova, onde não é
possível fazer alargamento de via
”, constata o presidente da Câmara Municipal
de Vila Nova de Poiares, criticando a empreitada que está a decorrer na
principal estrada de ligação entre Coimbra e Viseu.

António Rosado – Diário As Beiras

Perante os atuais constrangimentos de circulação no IP3,
agravados pelo recente desmoronamento de um talude, João Miguel Henriques
considera que a prioridade deveria ser construir “a ligação entre a A13, a sul, e o IP3, vias que deveriam estar ligadas
por um itinerário que sirva os concelhos do corredor sul do rio Mondego,
criando novas alternativas à atual situação
”.

Obra
incluída no PNI 2030

Em entrevista ao jornal a propósito do Dia do Município e
da Semana da Chanfana – a publicar, na integra, no próximo sábado –, o edil tem
a expectativa de que o Governo execute
esta obra, que é estruturante para a região, e que, ainda por cima, está
contemplada no PNI 2030 (Plano Nacional de Investimentos)
”. Trata-se de “uma solução exequível, tanto financeira
como tecnicamente, aguardando-se que possa ter enquadramento financeiro no novo
quadro comunitário
”.

Concelho
afirma-se como charneira litoral/interior

João Miguel Henriques defende que “Vila Nova de Poiares é, no eixo litoral/ interior, o 1.º concelho de
baixa densidade, muito perto das principais vias rodovias, o que, com boas
acessibilidades, lhe permitiria servir de alavanca ao desenvolvimento de toda a
região
”.

O autarca afirma que “o concelho tem capacidade para isso, o que se constata pelos dados do
volume de negócios dos concelhos da Comunidade Intermunicipal da Região de
Coimbra (CIM-RC), no ano de 2018, que colocam Vila Nova de Poiares em 4.º
lugar, só atrás de Coimbra, Figueira da Foz e Cantanhede, ultrapassando os 400
milhões de euros anuais, o que diz bem da capacidade e dinâmica empresarial do
concelho
”.