COMUNICADO – Infraestruturas de Portugal garante esforços para reabrir o IP3 até 20 de janeiro

0
1


A Infraestruturas de
Portugal (IP) pretende restabelecer até ao dia 20 a circulação automóvel no
Itinerário Principal (IP) 3, que está cortado no sentido Coimbra-Viseu, em
Penacova, devido a deslizamento de terras.



Consciente das perturbações que esta situação implica, a IP tem em
curso a implementação de uma solução que permite o 9restabelecimento da
circulação automóvel nos dois sentidos, até ao dia 20 de janeiro, no âmbito da
empreitada de requalificação do IP3 que se encontra em curso
”, explica, em
comunicado.
Segundo a IP, na
sequência das intempéries de dezembro de 2019, no dia 21 “ocorreu o deslizamento de taludes no IP3, na zona do nó de Penacova,
lado direito no sentido Viseu–Coimbra, local onde ainda decorrem os trabalhos
da empreitada de requalificação do IP3, entre Penacova e a foz do Dão
”.
Esse deslizamento de
terras “obrigou ao corte de tráfego no
troço entre o nó de Penacova e o nó da Espinheira”, tendo sido criados
percursos alternativos para a circulação automóvel
.
A IP iniciou de imediato os trabalhos de remoção de terras e, no final
da manhã do dia 24 de dezembro, procedeu à reabertura da circulação no sentido
Viseu–Coimbra
”, acrescenta.
No entanto, o sentido
Coimbra-Viseu mantém-se cortado, o que motivou hoje uma tomada de posição das
comunidades intermunicipais de Viseu Dão Lafões e de Coimbra.
A IP refere que “compreende a perturbação criada com o
deslize do talude, estando a desenvolver todos os esforços no sentido de repor
as condições de circulação em segurança com a maior brevidade possível
”.
Ainda hoje, a
Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões exigiu o restabelecimento
urgente da circulação no IP3.
Reclama-se, com absoluto caráter de
urgência, o restabelecimento da circulação integral no IP3, mobilizando-se,
para o efeito, todos os meios necessários para que isso ocorra de imediato
“,
disse o presidente da CIM, Rogério Abrantes.
Para os autarcas dos 14
concelhos que integram a CIM Viseu Dão Lafões, é inadmissível que não se
conheça “o calendário existente para o restabelecimento, integral, da
circulação rodoviária
“.
Mais tarde, em
comunicado, a CIM da Região de Coimbra anunciou que pediu uma reunião com
caráter de urgência” ao
ministro das Infraestruturas, face à demora no restabelecimento da circulação
do IP3