JUSTIÇA – Após verdadeira caça ao homem, GNR apanha 5 assaltantes em Figueira de Lorvão

0
0
A GNR intercetou uma viatura suspeita ontem em Figueira de Lorvão, Penacova. Os ocupantes, cinco ao todo, abandonaram o veículo e fugiram a pé. Acabaram por ser intercetados e identificados após uma verdadeira caça ao homem.

Cátia Vicente – Diário As Beiras (texto)

Ricardo Almeida (foto)
A viatura em questão já tinha sido identificada como suspeita de envolvimento numa onda de assaltos, na zona de Tábua. No último domingo, uma residência foi alvo de um furto na freguesia de Carapinha o que levou o presidente da junta, Rogério Neves, a lançar um edital sobre o assunto. O documento foi entretanto retirado, a pedido das autoridades porque a viatura era identificada e podia originar uma caça aos assaltantes.
A patrulha avistou a viatura na zona de Penacova e intercetou-a. Os ocupantes puseram-se em fuga a pé”, disse ontem ao jornal fonte da GNR de Coimbra, esclarecendo que os suspeitos“acabaram por ser encontrados e identificados”.

A mesma fonte esclarece que não há para já a possibilidade de ligar os cinco homens, com idades entre os 20 e os 70 anos, aos assaltos ocorridos na zona de Tábua até porque estes negaram o envolvimento.

Quando encetaram a fuga, os indivíduos esconderam-se num edifício também na zona de Penacova.


Foi então montada uma operação, que contou com o envolvimento de militares da GNR de Penacova, Poiares e do Núcleo de Investigação Criminal de Coimbra e que permitiu a identificação dos cinco suspeitos.

Dos cinco suspeitos permaneceram detidos. Um de 22 anos por se ter verificado que era alvo de cinco mandados de detenção, por furto qualificado, ofensas à integridade física qualificada e roubo. Outro de 67 anos, por se ter constatado ser evadido do Estabelecimento Prisional de Lisboa, no qual estava a cumprir pena por tentativa de Homicídio. Ambos foram entregues no Estabelecimento Prisional de Coimbra.


No decorrer da operação policial foi apreendido um veículo e todos os artigos que se encontravam na posse dos suspeitos, nomeadamente duas armas de fogo; dois intercomunicadores, um aerossol, 13 munições, 12 peças em ouro, nove peças em prata e um relógio; 345 euros em numerário.
População preocupada

As autoridades estão ainda a desenvolver diligências no sentido de encontrar os autores dos furtos e apurar se os indivíduos agora identificados têm ou não relação com os casos. “Esta costuma ser uma zona pacata e isto tem criado alguma instabilidade e preocupação”, revelou ao jornal Rogério Neves, contando que na sua freguesia os problemas começaram há cerca de uma semana, “mas nas redondezas já se ouvia falar na carrinha e nos assaltos há mais tempo”.