SENSIBILIZAÇÃO – Operação Floresta Segura 2020

0
6

A Guarda Nacional Republicana (GNR) realiza, desde o dia 15
de janeiro e até 6 de dezembro, em todo o Território Nacional, a operação “Floresta Segura 2020”, através do
Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), da Unidade de
Emergência, de Proteção e Socorro (UEPS) e dos Comandos Territoriais, a
qual integrará várias fases, desde o planeamento e execução de ações de
sensibilização e de fiscalização, no que diz respeito às faixas de gestão de
combustível, até ao reforço de patrulhamento e vigilância, para prevenir
comportamentos de risco, assim como detetar e combater incêndios rurais, com a
finalidade de garantir a segurança das populações e do seu património e
salvaguardar o tecido florestal nacional.
Neste sentido, a GNR, em coordenação com a Autoridade
Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) e o Instituto da Conservação da
Natureza e das Florestas (ICNF) irá, junto das populações em geral e, em
particular, das autarquias, produtores florestais, comunidades escolares e
agricultores, promover ações de sensibilização, com o intuito de alertar para a
importância dos procedimentos preventivos a adotar, nomeadamente sobre o uso do
fogo em queimas e queimadas, a limpeza e remoção de matos, a manutenção das
faixas de gestão de combustível e a adoção de medidas de proteção dos
aglomerados e de autoproteção, no âmbito dos Programas Aldeia Segura e Pessoas
Seguras.  
Em apoio à ANEPC, no combate aos incêndios rurais, a GNR irá
empenhar forças da UEPS em ações de ataque inicial e ampliado/estendido, com
meios terrestres e helitransportados e, através do SEPNA, garantirá a
validação, medição das áreas ardidas e investigação das causas dos incêndios.
Salienta-se que, no ano de 2019, registaram-se 10 904
ocorrências de incêndios rurais – o que representa uma redução de 15% face
aos números de 2018 e de 54% face aos de 2017 – que resultaram em 42 492 hectares
de área ardida (uma redução de 4% face a 2018 e de 93% face a 2017).
Ainda assim, considerando que cerca de 35% das
ocorrências tiveram origem na realização de queimas e queimadas, a
GNR continuará a dar prioridade à redução do número de ignições, aconselhando-se
a população à participação nas diversas ações de sensibilização sobre o
uso correto do fogo, que serão promovidas por todo o país.