APIN – PCP de Penacova satisfeito com saída do município da empresa intermunicipal de água

0
7

O PCP de Penacova congratulou-se hoje com a saída do
município da Associação Intermunicipal de Ambiente do Pinhal Interior (APIN),
realçando que este desfecho se deve à luta dos cidadãos.
Em comunicado, a Comissão Concelhia do PCP “saúda a
determinação e luta da população de Penacova
” que levou à saída da APIN, “para
onde nunca devia ter entrado
”.

Os comunistas criticam “a enorme hipocrisia do PS e do
presidente da Assembleia Municipal [o socialista Pedro Coimbra], que na
manifestação do dia 29 de fevereiro se escondeu do povo, tendo apenas feito
duas breves aparições, abandonando na prática o decorrer dos trabalhos” do
órgão autárquico.

Todo este processo foi delineado, proposto e aprovado pelo
PS, nos órgãos em que tem maioria absoluta, Câmara e Assembleia Municipal (AM),
assim como pelo PSD, que com a sua abstenção ficou a ver para que lado é que a
coisa tombava, acrescentam.


Na quarta-feira, a AM de Penacova, no distrito de Coimbra,
aprovou por unanimidade (PS, PSD e CDU) a “saída imediata” da APIN, na
sequência de uma proposta do presidente da mesa, Pedro Coimbra, deputado na
Assembleia da República e presidente da Federação de Coimbra do PS.

Corroborando as reivindicações do Movimento Espontâneo de
Cidadãos (MEC), que também já se congratulou com a saída de Penacova da APIN, a
CDU e o PSD tinham apresentado moções próprias em que também preconizavam a
saída deste município da APIN, cujo conselho de administração é liderado pelo
presidente da Câmara local, Humberto Oliveira, do PS.

Os dois documentos foram rejeitados pelo PS, contando cada
um deles com os votos favoráveis apenas do PSD e da CDU.

O PCP enaltece na nota “a força da luta e unidade das
populações na defesa de um bem essencial à vida, obrigando a Câmara Municipal
de Penacova a recuar
”.

Foi a luta da população que os obrigou a recuar e a aprovar
a saída da APIN”, sublinha, defendendo que “a melhor garantia para que a água
se mantenha como um bem público essencial e fora das regras do mercado e do
negócio” é as pessoas assinarem “a petição em defesa da água pública, aprovada
na assembleia popular realizada no domingo.


O PCP, através do seu eleito da CDU, Álvaro Miranda, “foi o
único partido que sempre esteve contra a constituição desta empresa de água,
saneamento e recolha de resíduos, (…) que pretendia abranger 14 municípios, dos
quais só ficaram 11, onde se inclui Penacova
”, realça.

Só com a gestão pública da água a população terá o controle
democrático sobre a política da água
”, defende o PCP.

A APIN iniciou a atividade em 2019 e tem um plano de
investimentos superior a 40 milhões de euros para os primeiros cinco anos de
atividade.

A empresa de capitais exclusivamente públicos integra os
municípios de Alvaiázere, Ansião, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos,
Góis, Lousã, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penacova, Penela e Vila Nova
de Poiares.