PENACOVA – Colheita de sangue com menos 70% de dadores

0
0

A Associação de Dadores Benévolos de Sangue de Penacova
(ADASPE) realizou ontem a primeira de duas colheitas previstas para este ano e
registou um decréscimo de dadores de cerca de 70%. Algumas pessoas que queriam
doar foram impedidas por terem regressado há pouco tempo do estrangeiro.
A colheita decorreu na antiga Escola Primária Maria Máxima,
em Penacova, entre as 09H00 e as 13H00. “Tivemos
30 colheitas, bem menos de metade do que habitualmente temos, que varia entre
os 90 e os 100
”, disse José Martins, da ADASPE. “Algumas pessoas vieram para doar mas não foram autorizadas porque
tinham regressado do estrangeiro há pouco tempo, ou porque familiares próximos
vieram de fora também
”, explicou.
Além disso, também os procedimentos de segurança
relacionados com a covid-19, fi zeram com que a recolha fosse feita de forma
mais lenta. “Foi medida a temperatura a
todas as pessoas e foram avaliadas por uma enfermeira
”, explicou José
Martins, salvaguardando que foram cumpridas todas as normas de segurança,
nomeadamente a utilização de máscaras e luvas. A colheita tendo em vista
reforçar as reservas do Instituto Português do Sangue e Transplantação envolveu
uma equipa de sete pessoas, entre as quais um médico e três enfermeiros.
Maioria dos dadores
do sexo masculino
Segundo José Martins, dos 30 dadores que doaram sangue em
Penacova este domingo, 25 são do sexo masculino e a média de idades ronda os 45
anos, mas houve também pessoas mais velhas. “Vi pelo menos três pessoas de 62
anos que vieram dar sangue e são um bom exemplo para toda a comunidade”,
sublinhou o elemento da ADASPE. A próxima colheita da associação está agendada
para o mês de outubro.
Cátia Vicente – Diário As Beiras