COVID 19 – “Movimento inédito nacional” une universidades e politécnicos na realização de testes por todo o país

0
3
As universidades e politécnicos estão a assegurar a
realização de testes à covid-19 por todo o país em lares de idosos e à
comunidade em geral, num movimento considerado hoje pelo Governo “inédito a nível nacional”.

O ministro da Ciência e do Ensino Superior, Manuel Heitor,
adiantou hoje, em Bragança, que já há cinco laboratórios da academia a fazerem
estes e “acerca de mais 10 estão a
planear o arranque
”, desde Bragança ao Algarve, no âmbito de um programa
que envolve também os ministérios do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social
e da Coesão Territorial.

Grande parte deste esforço começou no Instituto de Medicina
Molecular (IMM), o Algarve adaptou muito rapidamente, e hoje também já temos os
laboratórios em Coimbra, no Porto, em Aveiro, vários outros em Lisboa, em
Bragança, e para a semana em Vila Real, Viana do castelo, Covilhã, em Castelo
Branco, em Évora, enumerou Manuel Heitor.

Os três ministros envolvidos no processo estiveram hoje em
Bragança a formalizar os protocolos com o Instituto Politécnico de Bragança,
que envolvem também a Unidade Local de Saúde (ULS) do Nordeste.
O politécnico e a ULS juntaram uma equipa de 30
profissionais que passam a fazer, em cerca de cinco horas, a análise de todos
os testes realizados no distrito de Bragança e que até agora tinham de ser
encaminhados para o Porto para se saber o resultado.
Um das vertentes deste protocolo é a realização de testes
preventivos nos lares a idosos da região.
Através deste protocolo, o Instituto Politécnico de Bragança
garantirá a realização de cinco mil
testes a lares
”, segundo indicou a ministra do trabalho, Solidariedade e
Segurança Social, Ana Mendes Godinho.
O objetivo aqui, como disse a ministra, “é a prevenção em termos de identificação de
casos positivos a nível de trabalhadores nos lares para a contenção da
propagação porque, depois das medidas já adotadas, nomeadamente a proibição de
visitas, os trabalhadores são aqueles que continuam a ter contacto com o
exterior
”.
O programa prevê que os testes serão feitos “em primeiro lugar naqueles lares que têm
equipas em que os trabalhadores voluntariamente se colocam durante sete ou 14
dias a trabalhar
”.

Em segundo lugar, a intenção é intervir naqueles lares de
maior dimensão, que têm maior número de utentes e trabalhadores, como explicou
a ministra.
Ana Mendes Godinho disse que se trata de “um programa
complementar
” àquilo que os lares podem fazer e às medidas e planos de
contingência que devem ter em vigor.
É um programa nacional de prevenção que foi sendo iniciado
à medida que as universidades estavam a ter capacidade de produção
”, sustentou,
acrescentando que “ao longo do país existem formas diferentes de
operacionalização dos testes, como o caso concreto do Porto em que a Câmara se
articulou com o Hospital de São João
”.
O que estamos a
fazer é a garantir que em cada uma das zonas do país estamos a utilizar os
recursos disponíveis para tentar chegar ao máximo número possível de pessoas
”,
acrescentou.

Para o ministro da Ciência e Ensino Superior, “este é um movimento inédito que mostra bem
que a Ciência cura, mas também que os cientistas estão mobilizados para
trabalhar em prol daquilo que é um desígnio nacional face à pandemia
”.
O governante realçou que “neste momento não há nenhuma
instituição universitária ou politécnica que já não esteja envolvida de alguma
forma
”.

Ao mesmo tempo estamos a mobilizar a capacidade cientifica
na realização de testes, na produção de equipamentos, desde as zaragatoas à
produção de equipamento de proteção industrial, de equipamentos mais
sofisticados como os ventiladores, mas também a utilização dos nossos
laboratórios e das competências humanas dos nossos laboratórios para realizar
testes.

Parte destes programas e trabalho tem o apoio financeiro do
Ministério da Coesão Territorial que disponibilizou 60 milhões de euros para o
efeito, segundo a ministra Ana Abrunhosa.
Este apoio ao programa dos lares destina-se aos testes e
alojamento, mas também à contratação temporária para substituir profissionais
destas instituições que ficarem doentes ou de quarentena.
A ministra lembrou que podem trabalhar neste regime e
acumular com os subsídios “quem estiver em ‘lay-off’ e quem estiver
desempregado
”, mas também estudantes, nomeadamente de enfermagem, e de outros
cursos com competências na área e com direito a uma bolsa.
Portugal regista hoje 380 mortos associados à covid-19, mais
35 do que na terça-feira, e 13.141 infetados (mais 699), segundo o boletim
epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.