COVID 19 – Três instituições da Região de Coimbra unem-se contra crise provocada pela pandemia

0
5

Numa nota enviada hoje à agência Lusa, a Universidade de
Coimbra afirma que, com a CIM Região de Coimbra (que agrega 19
municípios) e o IPN (instituição privada sem fins lucrativos, criada
pela UC, em 1991, para “promover a inovação e a transferência de
tecnologia, estabelecendo a ligação entre o meio científico e tecnológico e o
tecido produtivo
“), criou a ‘Coimbra2030′, plataforma para o desenvolvimento
da região de Coimbra para “enfrentar a crise provocada pela pandemia
da covid-19.
A iniciativa, coordenada pelo CeBER (Centre for
Business and Economics Research, da Faculdade de Economia da UC), visa
“colocar o saber e o conhecimento” da Universidade a “olhar
para o futuro, apoiando o desenvolvimento económico e social futuro da Região
de Coimbra
“.
Trata-se de “um trabalho verdadeiramente colaborativo com
os parceiros da região, num momento em que a solidariedade é fundamental, com
vista à recuperação económica e social” da região no “quadro
pós pandémico
“.
O projeto — “muito importante para a
Região de Coimbra, de sinergia entre instituições” — pretende
“recolher e disponibilizar informações e práticas, regionais e
internacionais, que apoiem a tomada de decisão dos agentes regionais
“,
e “efetuar estudos de suporte ao desenvolvimento das políticas
públicas
“, sustenta a UC.
Além disso, o projeto propõe-se “apoiar a
elaboração da estrutura de acompanhamento” e formular “recomendações
para a definição de medidas e monitorização das Medidas de Apoio a Empresas e
Famílias da CIM Região de Coimbra e respetivos municípios
“.
Considerando que se vive “o contexto de uma crise
sem precedentes nos tempos modernos
“, os fundadores da plataforma
salientam que a crise de saúde pública, provocada pela pandemia da covid-19,
tem “impactos imediatos e futuros imprevisíveis, a nível global, na
economia e, portanto, na vida das pessoas
“.
A pandemia provocou, em simultâneo, “um
choque do lado da oferta (por via da paragem forçada de muitos setores,
imposta pela declaração do estado de emergência, bem como pela paragem
voluntária motivada pelas situações de quarentena e de distanciamento social
generalizado), e do lado da procura (queda de rendimentos, desemprego e incerteza
económica)
“.
Apesar das fortes incertezas, a resolução da crise
sanitária, numa primeira fase, e a oportunidade e inteligência da resposta das
políticas públicas, bem como a capacidade de inovação e adaptação à mudança de
empresas e consumidores nos territórios, num momento posterior, serão decisivas
para ultrapassar as dificuldades que se anteveem, sustentam os promotores
do projeto.
Esta ‘Task force covid19’ tem o âmbito geográfico dos
19 municípios que integram a CIM Região de Coimbra — Arganil, Cantanhede,
Coimbra, Condeixa-a-Nova, Figueira da Foz, Góis, Lousã, Mealhada, Mira,
Miranda do Corvo, Montemor-o-Velho, Mortágua, Oliveira do Hospital, Pampilhosa da
Serra, Penacova, Penela, Soure, Tábua e Vila Nova de Poiares.
Além dos parceiros fundadores, a plataforma contará com a
colaboração de outras instituições, como o IAPMEI (Instituto de Apoio
às Pequenas e Médias Empresas), a CCDR (Comissão de Coordenação e
Desenvolvimento Regional do Centro), o INE (Instituto Nacional de
Estatísticas), estruturas empresariais e do terceiro setor, responsáveis
públicos e organizações setoriais, o Clube MBA da Faculdade de
Economia da UC, a Proteção Civil e organizações sindicais, entre
outras.
A nível global, segundo um balanço da agência de
notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de
211 mil mortos e infetou mais de três milhões de pessoas em 193
países e territórios.
Em Portugal, morreram 948 pessoas das 24.322 confirmadas
como infetadas, e há 1.389 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral
da Saúde.