IPSS’s de Penacova dizem que apoio do município ao combustível é “esmola”

0
7


As cinco instituições particulares de solidariedade social
(IPSS) do concelho de Penacova escreveram uma carta aberta ao presidente da
câmara na qual apelidam de “esmola” o apoio que o município vai dar para
combustível.

Recorde-se que recentemente a autarquia divulgou que iria
apoiar estas instituições nas deslocações para prestar cuidados, mediante
faturas.

Saberá tão bem como nós que esse gasto é o menor de todos
os gastos, em que as IPSS incorrem
”, lê-se na missiva, dado que o valor mensal
gasto em combustível por casa IPSS neste serviço será em média 300 euros.

A despesa mais significativa, argumentam as IPSS, são os
recursos humanos, já que durante o Estado de Emergência, foi necessário
realocar pessoas para responder ao encerramento dos centros de dia com apoio
domiciliário.

Até a isenção do pagamento da água e do saneamento,
representava um valor maior que o apoio no combustíve
l”, acrescenta.

Para além disso, apesar de os trabalhadores dos serviços que
encerraram terem sido realocados, as instituições não deixaram de perder as
receitas destas valências.

As IPSS alertam ainda para a poupança que o município tem
com a redução de serviços das IPSS, já que, até ao final do ano letivo, deixa
de pagar as refeições escolares, mais de 100.000 euros. “Não deveria parte
significativa desta verba ser alocada ao reequilíbrio financeiro das IPSS?
”,
questionam.

As afirmações da autarquia sobre a distribuição de
equipamento de proteção individual são também criticadas, já que correspondem a
uma gota de água perante as necessidades das instituições. As IPSS afirmam que
a câmara distribuiu um total de 600 máscaras e 5.400 luvas de latex (frágeis)
que foram divididas pelas cinco instituições, materiais consumidos em três
dias.

Por fim, as instituições expõem que foi aceite pela
vereadora de Ação Social uma proposta das IPSS para repartir em três as
mensalidades das creches e CATL, entre IPSS, famílias e município. Assim as
IPSS aplicaram a sua parte do desconto na mensalidade, mas esta proposta acabou
por não ser enumerada nas medidas divulgadas.

Fonte: Diário As Beiras