IP3 – Infraestruturas de Portugal informa que será reposta a circulação em Oliveira do Mondego

0
8

Decorrente da empreitada
de Reabilitação do IP3 – Nó de Penacova (km 59) e Ponte da Foz do Dão (km
75,16) -, e para a realização dos trabalhos previstos na mesma, será necessário
proceder-se a nova alteração na circulação atualmente existente.
A partir de amanhã, dia 13 de maio, será reposta a circulação no sentido Coimbra-Viseu na faixa direita, entre os quilómetros 68,8 e 69,2, em
Oliveira do Mondego. Na quinta-feira, dia 14 de maio, será suprimida a
faixa esquerda no sentido Viseu-Coimbra, fazendo-se a circulação pela faixa
direita do sentido oposto
. Este condicionamento terá a duração de
dois meses
.
Mais se informa que
estão implementados os Planos de Contingência de mitigação da situação
epidemiológica provocada pela COVID-19, definidos pela IP e pela empresa que
irá executar os trabalhos.
Melhoria das condições de mobilidade e segurança no IP3 
A empreitada de
requalificação do troço do IP3, com cerca de 16 quilómetros, entre o Nó de
Penacova e o Nó do Lagoa Azul, junto à ponte da Foz do Dão, iniciou-se no
passado mês de maio e tem um prazo de execução de 330 dias.
Esta obra representa um
investimento de 11,8 milhões de euros para o reforço das condições de
circulação, mobilidade e segurança de uma das principais vias de ligação do
interior do país. A requalificação integral do troço entre o km 59 e
o Km 75,160, envolve a realização dos seguintes trabalhos:
  • Construção de dois novos Nós de ligação (Nó de
    Oliveira do Mondego e Nó de Cunhedo), eliminando as atuais interceções de nível
    existentes com viragens à esquerda;
  • Requalificação do caminho existente sob a Ponte do
    Mondego para permitir a articulação dos movimentos de tráfego do Nó de Oliveira
    do Mondego;
  • Colocação de separador central;
  • Introdução de vias de aceleração e abrandamento, com
    3,50m de largura;
  • Reabilitação estrutural do pavimento;
  • Reforço das condições de estabilidade de taludes com a
    colocação de estruturas de suporte em betão, pregagens e redes de contenção;
  • Colocação de novas vedações;
  • Reabilitação dos sistemas de drenagem;
  • Substituição e readequação da sinalização vertical e
    horizontal.