PATRIMÓNIO – Barca Serrana recria tradição do Mondego e recuperou o grito “Ó da roda”.

0
50

Mentores do projecto “Serranas
do Mondego
”, Vítor Seco e Fábio Nogueira são os novos barqueiros do
Mondego, promovendo passeios turísticos no rio. A Praia Fluvial do Reconquinho
é o ponto de partida

Quando Vítor Seco, que assume o papel de guia turístico e
segue a bordo da barca serrana, grita “Ó
da roda
”, João Seco é célere a dar à manivela com o firme propósito de
garantir que uma pequena parte da reconvertida ponte pedonal da Praia do Reconquinho, em Penacova, seja levantada e torne possível a passagem da barca
serrana.
João Paulo Henriques – Diário de Coimbra
O grito “acorda
quem está dentro de água, levando a que assumam os devidos cuidados na hora da
passagem da barca serrana, e desperta, ao mesmo tempo, a curiosidade de todos
os que estão nas margens, fazendo com que dirijam o olhar para a passagem do
Tareco”, que, suavemente, desliza pelas águas do Rio Mondego, com o leme a
estar entregue ao barqueiro José Luís Seco.
Serranas do Mondego
é um projecto que tem Vítor Seco e Fábio Nogueira, ambos da Rebordosa, aldeia
ribeirinha do Mondego, com tradições na arte de navegar, como mentores. Uma
ideia colocada em prática e que, neste Verão, já está a assumir-se como um novo
postal de visita do concelho de Penacova, proporcionando, a quem viaja na barca
serrana, uma perspectiva diferente da vila e valorizando a Praia Fluvial do
Reconquinho. «A vista de Penacova do Rio
Mondego é diferente
», assegurou Vítor Seco.
A viagem dura entre 45 a 50 minutos e proporciona imagens de
rara beleza, com o silêncio oferecido pelo motor eléctrico, que “puxa”, de forma ecológica, a barca
serrana, a permitir ouvir o chilrear dos pássaros nas margens do Mondego. Mesmo
com o calor a apertar, a frescura que se sente no barco é mais um ponto a
favor. Como se não bastasse o cenário idílico, o passeio conta com o à vontade
de Vítor Seco, que, de forma cativante, vai contando histórias relacionadas com
a barca serrana, os barqueiros e Penacova.
«Este projecto
começou em licenciamento há quase cinco anos
», revelou Fábio Nogueira,
arquitecto de profissão, que, numa mesa colocada no areal, trata da parte
logística, acrescentando que «a barca
foi colocada na água em Maio de 2019
», antes de dar conta que, «em Outubro
de 2019, a barca, os percursos e tudo o resto ficou legal». «Se é um projecto de sucesso, não sabemos,
mas sabemos que nos está a dar muito gozo»,
realçou Vítor Seco, que,
profissionalmente, é gestor de projectos na Magnum Vinhos. “Tareco” é o nome da embarcação, que,
nesta fase inicial, viaja apenas ao fim-desemana, a partir da Praia do
Reconquinho. «Tem um significado enorme.
Era o nome dos nossos antepassados, que, por acaso, eram barqueiros
»,
referiram Vítor Seco e Fábio Nogueira, que, de seguida, assumiram a barca
serrana como sendo «um ícone de Penacova».
«Teve importância fulcral para a região»,
reforçaram.
«Queremos fazer uma
ponte entre o passado e o presente
», referiu Vítor Seco, lembrando, de
pronto, o papel desempenhado pela barca serrana no passado. «Fazia o transporte das necessidades que
havia na região. Levava vinho, azeite, lenha, pessoas e até animais para a
Figueira da Foz e trazia sal e peixe de lá
», explicou. O objectivo do
projecto “Serranas do Mondego” passa
por «trazer turistas para desfrutarem de
experiências
», de forma a tornar possível «criar postos de trabalho» fora da esfera familiar, que, neste
momento, torna possível o projecto. Segundo Vítor Seco, «a barca serrana é única e a região deve-lhe tudo», recordando que
«atravessava os concelhos de Penacova, Coimbra, Montemor-o-Velho e Figueira da
Foz
»
Embarcação tem 12
metros de comprimento e pesa uma tonelada


A barca serrana, idealizada por Vítor Seco e Fábio Nogueira,
tem 12 metros de comprimento e pesa uma tonelada, assumindo-se como «uma réplica original». «A ideia foi pegar numa peça de museu como
era a barca serrana, reconstruí-la e fazer com que fosse aprovada em termos
turísticos
», expressou Vítor Seco, antes de destacar que, por ser puxada
por um motor eléctrico, se assume como «um
projecto sustentável para a natureza
».
Segundo os investidores, “Serranas do Mondego” é um projecto que «tem licenças para trabalhar em espelhos de água em Penacova e em
Coimbra
». «Este projecto foi
pensado, inicialmente, para Coimbra, mas, por constrangimentos diversos,
estamos em Penacova, após um ano de testes
», revelou Fábio Nogueira.
A barca serrana é «controlada
por cordas
», com o controlo a poder ser efectuado «em qualquer parte da embarcação». De referir que a barca tem
licenciamento para «operar com 20 pessoas», mas, em virtude da Covid-19, o
número de turistas foi «reduzido para 12». Neste momento a saída ainda se faz pela proa da embarcação, mas, segundo Vítor Seco, «no próximo fim-de-semana, já vai estar aqui
colocado, na praia, um cais
».

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui