Vamos lá falar sobre o Ténis!

0
7

O Ténis vai abrir ao público, ouvi eu dizer, recentemente; o
Ténis está lindo de morrer, vi eu com estes meus olhos nas fotografias respectivas
e posso, portanto, afirmá-lo.
… e passou tanto tempo, entretanto, desde que ficou
inoperacional …
… e houve, pelo menos, 2 gerações de Penacovenses que dele
não puderam usufruir …
Trata-se de um espaço público que existiu desde que eu me
lembro de existir; muito antigo; guarida para os Aristas de que tanto se fala
hoje, que ali praticavam ténis, aquele desporto que, há época, ninguém se
lembraria de encontrar numa Terra tão interior assim como a nossa e que não
deixava de espelhar um elitismo sem ligação à realidade.
No meu tempo (a partir do momento em que comecei a jogar à
bola, ali por volta de 1966), o Ténis, na verdade, já se tinha esquecido das redes
divisórias do campo e já ninguém se lembrava que as regras previam que
estivessem esticadas à altura de 1, 07 metros, ou do que era a cinta ou a
banda.
Tínhamos um belo pelado com umas covas mais ou menos
pequeninas; tínhamos, de vez em quando umas balizitas; também tivemos, a partir
de certa altura umas casitas de banho, sem banho.
Ou seja,
Não tínhamos quase nada, mas o Ténis era melhor do que o
Campo do Reconquinho (onde hoje é o Parque de Campismo da Federação), que era
lavrado.
E melhor do que o Campo do Chaínho (hoje parte do Campo do
Mocidade), onde para jogarmos tínhamos que ir de manhã e roçar as silvas e os
tojos e, e, e…
E melhor do que o Campo da Escola Maria Máxima,  que tinha oliveiras no meio, por vezes
inultrapassáveis, pura e simplesmente.
O Ténis, com o tempo (já anos 70) perdeu, por completo a
visita das raquetes e passou por fases diversas, umas melhores, outras piores.
Quando eu frequentava o colégio (Externato Príncipe das
Beiras) o Ténis dava casa ao futebol dito de salão sem sala, de que já
falaremos melhor, mas especializou-se em “campo das namoradas”, porque era esse
o local (a par com o Mirante) mais discreto que havia em Penacova para nós (e
recordo aqui, TODAS e TODOS, sem dizer nomes, para não ofender as nossas
memórias) iniciarmos as experiências de uns beijinhos, de uns apalpõezinhos,
etc, etc, etc.
De manhã aberto para os namoricos; à tarde para o dito
futebol … e à noite para tudo o que possamos imaginar, uma vez que era um
espaço aberto, sem controle e muitas vezes sem luz.
As lâmpadas iam sendo postas e partidas; as floreiras iam
sendo construídas e rebentadas; as balizas iam sendo colocadas e destruídas.
Isto para não falar dos palcos onde em Julho/Agosto actuavam
as Marias Albertinas daquele tempo, ou os Grupos de Baile do concelho: Azes do
Ritmo, Estrelas do Ritmo; Irmãos Simoes e outros de que não me lembro agora.
Esses palcos ficavam (como a Ponte do Reconquinho) à espera
que alguém os levasse e, na verdade, era mesmo preciso destruí-los e levá-los
para que o regresso do futebol fosse possível.
A malta do nosso tempo também era composta por “boas peças”,
relembremos.
Regressando ao futebol, o certo é que dali saíram grandes
jogadores, muitos que vieram a federar-se e a jogar em Equipas do melhor que
havia na nossa região: União Futebol Clube (onde, modéstia à parte, fui campeão
distrital); Associação Desportiva de Chelo; União Desportiva Lorvanense;
Associação Desportiva e Cultural de São Pedro d’Alva; Argus; Ançã; Tondela; Poiares;
Oliveira do Hospital; Anadia, entre outros.
Os jogos eram muito aguerridos; as histórias davam para
encher muitos livros. Mas fica só uma história que se repetia o ano inteiro: jogos
Penacova/Cheira, que nunca tinham fim, pois terminavam quase sempre à bofetada
e ao pontapé, porque no suposto fim do tempo, ninguém queria perder.
Figuras dessas equipas: Abílio e Quim Penso (que começaram a
jogar na Vila e, depois, se passaram para a Cheira) Valdemar Amante, Mário do
Guarda; Tó Peneira, Zé Paralta, Jori, Luís Viseu, Duarte Pimentel, Luís Amaral,
Ercilio, Orlando, Artur Paiva, Quim Flórido, Tó Ferreira e outros de que não me
lembro agora, mas que são igualmente importantes para a história do nosso Ténis.
Concluindo:
PARABENIZEMOS a reabertura e aqueles a que ela fica
associada!
FAÇAMOS DESEJOS para que um local tão aprazível -e único-
como o Ténis sempre foi, NUNCA MAIS deixe de cumprir a sua missão ao serviço da
nossa Juventude!
SEJA PORQUE MOTIVO FOR!!!
Luís Pais Amante