Penacova ‘vende-se’ ao país e ao mundo, à boleia da EN2, no palco da RFM

0
11

O Penacova Actual foi sentir o ambiente que se respirava ao pôr do sol de 17 de agosto, na praia fluvial do Reconquinho. A marca RFM escolheu Penacova para aí estacionar o seu programa ‘Sentir Portugal’, na rota da EN2 que está a realizar, e daí nos ‘dar boleia’ para o país e para o mundo. Durante 3 horas, entre as 17h e as 18h, o ‘regresso a casa’
dos ouvintes foi embalado pelas águas do Mondego transportados em barca serrana, hidratado e refrescado pelas Águas de Penacova, adoçado pela doçaria conventual do Concelho. O paladar dos seguidores da rádio foi alimentado pelo tempero da nossa gastronomia, o seu corpo exercitado pelo Desporto de Natureza e Aventura, a sua agenda preenchida com a hipótese de uns dias passados por cá. Depois da RTP, é a marca RFM a dar corpo e voz ao projeto de sucesso que é a rota de 738km da EN2 e a eleger Penacova como estação, maior que um ocasional apeadeiro.
Desafiado a ‘vender’ Penacova em 40 segundos, o Presidente da Câmara, Humberto Oliveira, em direto no programa, colocou no Concelho o rótulo de “magnífico”, destacando as “boas acessibilidades” e o incontornável património natural e cultural, dando como exemplo do primeiro o miradouro Penedo do Castro e do segundo o Mosteiro de Lorvão, argumentando ser impossível falar de Penacova sem uma referência a este emblemático monumento.
No público presente no Reconquinho verbalizava-se “orgulho”, pelo facto “daquilo que é nosso ser visitado e valorizado pelo país” e desafiava-se os naturais de Penacova a esta mesma valorização “daquilo que de melhor temos”.
Os Calema foram a atração musical surpreendente e algo inesperada, que mobilizou muito do público presente. Nas palavras não cantadas que dirigiram aos ouvintes, também eles não deixaram de agradecer a Penacova o acolhimento. O Alex, jovem são tomense que recentemente concluiu o curso de Turismo da Escola Profissional Beira Aguieira, com quem o Penacova Actual conversou, não escondia o seu regozijo por estar a ver atuar ao vivo dois rostos atuais de S. Tomé e Príncipe. Não hesitou em apontar o duo como um exemplo para os jovens de S. Tomé, nomeadamente o largo contingente que vem estudar para Penacova, de estímulo para a superação das dificuldades e de trabalho na prossecução dos sonhos de realização pessoal. Confidenciou que acalenta a esperança de poder organizar algum evento que mobilizasse também a comunidade estudantil africana que habitará Penacova no próximo ano letivo. Não estará aqui [mais] um ‘património’, desta vez humano, para ser reconhecido e promovido?