Ilustre(s) [Des]Conhecidos – José Maria Ralha dos Santos (1918 – 2014)

0
56

José Maria Ralha dos Santos nasceu no dia 22 de Maio de 1918 e  residiu na localidade do Caneiro, tendo casado com Amélia Ralha Maia. Faleceu no dia 25 de Março de 2014, com 96 anos de idade.

Tendo o comércio como ocupação e sustento, o ciclismo foi a sua grande paixão, fazendo carreira desportiva durante alguns anos de juventude. Em 1939, com vinte e um anos de idade, iniciou-se a pedalar com a camisola do Clube União de Coimbra.

Neste clube fez a preparação para participar em 1940 na corrida ciclista “Flores de Portugal”, organizada pelo jornal “O Século”, tendo sido seleccionado para representar Coimbra como chefe de equipa. “Flores de Portugal” foi uma iniciativa do jornal O Século com a colaboração da Emissora Nacional. Consistiu  em ligar simbolicamente Ourique a Guimarães através de uma prova de ciclismo com o objectivo de mobilizar, no contexto das Comemorações do Duplo Centenário, quer o desporto nacional quer a população em geral, para as cerimónias que tiveram o ponto alto no dia 4 de Junho na cidade-berço. Recolhendo pelo caminho, com a constituição de comissões locais de senhoras, as flores oferecidas pelas populações e que se destinavam a decorar a estrada que conduz ao Castelo de Guimarães, a prova ciclista teve início em Ourique no dia 22 de Maio com estradistas representantes de todos os distritos. Por equipas, foram classificadas, nos primeiros lugares, as equipas de Lisboa, Coimbra, Faro, Santarém e Aveiro. Entre  Ourique – Guimarães, num total de catorze etapas, participaram 54 ciclistas. No final da prova a equipa que José Ralha chefiava ficou qualificada em segundo lugar.

A partir dessa fase começou a participar em provas mais para Sul e em 1942 foi convidado pelo Sporting Clube de Portugal a integrar a equipa de ciclismo, onde participou em diversas provas com excelentes resultados. Primeiros lugares em muitas provas, como nas de Torres Vedras, Bombarral, Lourinhã, Caldas da Rainha, e muitas outras. Nestes desafios brilhava com a sua excelente capacidade física e resistência psicológica. Depois de abandonar o Sporting, continuou a participar em provas de cariz local e regional, optando por participar  em provas organizadas  no distrito de Coimbra e no concelho de Penacova, mais próximas da sua residência e financeiramente menos onerosas.

Reconhecendo todo este percurso de uma vida, o Município de Penacova,  em Março de 2014, homenageou-o na Gala do Desporto com o merecido Prémio Carreira.

David Almeida