Operação ‘Censos Sénior’ decorre durante todo o mês de outubro

0
55

Durante o mês de outubro, em todo o território nacional, a Guarda Nacional Republicana (GNR) realiza mais uma edição da operação ‘Censos Sénior’, que visa identificar a população idosa, que vive sozinha, ou isolada, ou sozinha e isolada, através da atualização dos registos das edições anteriores.

No ano passado, a Guarda Nacional Republicana identificou 41.868 idosos que vivem sozinhos e/ou isolados, ou em situação de vulnerabilidade.

No decorrer da operação, refere a GNR em comunicado, os militares irão realizar um conjunto de ações de sensibilização, junto das pessoas idosas em situação vulnerável, privilegiando também os contatos com os que vivem sozinhos e/ou isolados, através de contactos pessoais.

objetivo é sensibilizar os idosos para que adotem comportamentos de segurança que permitam reduzir o risco de se tornarem vítimas de crimes, nomeadamente em situações de violência, de burla, furto e ainda para prevenir comportamentos de risco associados ao consumo de álcool, bem como para a adoção de medidas preventivas de propagação da pandemia Covid-19.

Na edição de 2019 da operação ‘Censos Sénior’, a GNR  sinalizou 41.868 idosos que vivem sozinhos e/ou isolados, ou em situação de vulnerabilidade, em razão da sua condição física, psicológica, ou outra que possa colocar a sua segurança em causa. De acordo com a autoridade, as situações de maior vulnerabilidade foram reportadas às entidades competentes, sobretudo de apoio social, no sentido de fazer o seu acompanhamento futuro.

No contexto atual de pandemia Covid-19, a GNR sublinha que tem estado particularmente atenta à evolução de determinados fenómenos criminais, visando sobretudo proteger os mais vulneráveis.

A operação ‘Censos Sénior’ é realizada anualmente desde 2011, tendo a GNR tem vindo a atualizar a base de dados geográfica, “proporcionando assim um melhor apoio à nossa população idosa, o que certamente contribui, por um lado, para a criação de um clima de maior confiança e de empatia entre os idosos e os militares da GNR e, por outro, para o aumento do seu sentimento de segurança”, destaca a autoridade.