Envelhecimento e Doença

0
125

Na verdade, comecemos por dizer que o idoso “É um indivíduo física, psíquica e socialmente diminuído e cuja capacidade de recuperar e repor o seu equilíbrio é mais lenta e mais difícil”. Dizer que não há doenças do idoso, há doenças no idoso.

As pessoas idosas ficam por regra mais doentes, têm mais doenças, têm mais tempo de doença, tem mais custos com a saúde e existe mais mortalidade neste grupo etário.

Os idosos têm também várias doenças ao mesmo tempo. É comum uma pessoa idosa ter angina de peito, hipertensão, diabetes e asma, por exemplo.

No respeitante aos problemas de saúde mais comuns em doentes idosos, temos as perturbações vasculares cerebrais, as perturbações da audição e visão, as doenças cardiovasculares e as alterações do aparelho locomotor. As artroses constituem a doença que é comum a praticamente todos os mais velhos.

Neste grupo etário dos anciãos, as principais causas de mortalidade são as doenças cerebrovasculares (Hipertensão arterial), as doenças cardiovasculares (Coração), os tumores malignos e as doenças respiratórias (Pneumonia e gripe).

Dizer que relativamente aos Padrões da Doença no Idoso, temos de considerar os seguintes:

Terreno diminuído (Fisicamente diminuído); Patologia múltipla (Várias doenças ao mesmo tempo); Apresentação atípica (No Idoso, os sintomas não são visíveis); Sintomatologia frustre ou inespecífica (forma leve ou incompleta de uma doença);  Desempenho variável (uns idosos chamam a atenção para o que têm, outros escondem o que sentem); Relação estreita com o social (as condições económicas interferem com a saúde); Complicações frequentes e graves (Devido à fragilidade do organismo nesta fase da vida); Cronicidade (As patologias dos idosos conhecem-se desde sempre); Incurabilidade e Mortalidade.

No que concerne às características do Doente Idoso, salientamos as seguintes: Maior vulnerabilidade ao stress; reduzida capacidade de adaptação; importante variação individual; maior dependência funcional; menor expressão semiológica (menos visíveis os sintomas e sinais das doenças); maior gravidade da patologia; declínio funcional mais acelerado; mais tempo de recuperação; prognóstico mais dependente do doente do que da doença; maior morbilidade e mortalidade por causas fisiológicas.

Importa também dizer que os Problemas do Idoso são vários e que se traduzem na pobreza de expressão semiológica; polipatologia; polimedicação e iatrogenia; riscos de hospitalização; interdependência dos problemas; dificuldades de comunicação, desequilíbrio fácil; reequilíbrio difícil; fragilidade e perda de autonomia.

Relativamente aos sinais e sintomas de doença nos mais velhos, podemos elencar os seguintes: Dor; Febre; Dispneia; Anorexia; Perda de Peso; Astenia; Edemas; Delírio; Agitação e Alterações comportamentais de instalação súbita.

Requerem atenção especial no Idoso: Acidentes; Quedas; Malnutrição; Iatrogenia; Alterações motoras e sensoriais; Alterações do sono; Alterações psíquicas e comportamentais; Depressão; Suicídio; Institucionalização; Luto; Imobilidade e Instabilidade.

Nesta fase do Envelhecimento e Doença, devemos estar atentos aos Acidentes. Estes podem ter Causas Físicas (Perdas sensoriais; Perdas motoras; Fadiga; Doença e medicação; Alcoolismo); Causas Psicológicas (Alterações de memória; Atenção/ Distracção; Ansiedade/Depressão; Problemas Familiares; Alterações comportamentais); Causas Ambientais (Inadequação Profissional; Ignorância; Barreiras Arquitéctónicas). Existem tipos de Acidentes: Acidentes de Trabalho; Acidentes de Viação e Acidentes Domésticos (Quedas; Intoxicações; Queimaduras). Para evitar os acidentes, existem medidas de prevenção, nomeadamente, trabalho protegido, eliminar barreiras arquitectónicas, ter habitação protegida, marcha diurna, identificação de medicamentos e produtos tóxicos e ajuda no domicílio.

As Quedas também são preocupantes nos Idosos. Importa, pois, perceber as suas causas que podem ser de diferente natureza, designadamente, devido ao Envelhecimento (Alterações da mobilidade, Alterações da marcha e Alterações Posturais); devido à Doença (Patologia osteoarticular, patologia muscular, patologia neurológica, patologia cardiovascular, obesidade e alterações sensoriais); devido a Causa Ambiental; devido à Iatrogenia e também há quedas sem causa evidente. As consequências das Quedas são as fracturas, instabilidade e imobilidade. Como Prevenção e Tratamento das Quedas devemos averiguar as circunstâncias da queda, o que aconteceu antes da queda, o que aconteceu durante a queda e o que aconteceu depois da queda; deverá realizar-se a anamnese e exame físico; efectuar exames complementares (quando há patologia existente ou suposta); realizar tratamento das causas ou condicionantes e reabilitação da marcha e do equilíbrio.

Nesta minha abordagem, pretendi alertar para várias situações que ocorrem nesta etapa do envelhecimento e que se todos nós que vamos envelhecer e que hoje privamos com os idosos, estivermos mais atentos aos padrões, sinais e sintomas de doença e sensibilizarmos para a prevenção, podemos contribuir para melhorar a saúde e o bem-estar deste grupo etário.

Termino esta crónica com um poema de João Batista de Medeiros com o título “Idade”

Idade

Qual é a minha idade?

Não! Não estou preocupado,

Apenas um tanto confuso

Afinal de contas

Que importância tem a idade?!

Em minha certidão de nascimento diz

Dezoito de fevereiro de mil novecentos e trinta e três…

Hoje não sei mais a minha idade!

Sinto recente as imagens de minha infância… a escola,

A professora, os colegas,

A namoradinha, o primeiro emprego,

O segundo, o terceiro e outros…

Mudei um pouco, externamente…

Os cabelos escandeceram,

As rugas apareceram,

Não jogo mais futebol…

Aliás, depois que “OITENTEI”

Nunca mais contei!…

Mas, continuo buscando, lutando, perdendo, vencendo,

Vivendo…

Interiormente, nada mudou!

Hoje eu sei mais, sinto mais

Entendo mais…

Que idade tenho?

Bem, deixa isso pra lá!

Não é importante ter uma idade,

Mas, viver como um ser humano que merece respeito,

Que vive com dignidade,

Que sabe amar,

Que pode ser amado

Idade? bobagem!

Eu sou eu e pronto!

 

Rosário Pimentel – Mestre em Gerontologia Social