Vinharia do Mondego: Mineralidade, o adjetivo da moda

0
48

É possível encontrar em muitas descrições de vinho o adjetivo “mineral”, enaltecendo as características de um certo vinho, por mais vã que esta ligação pareça. Este adjetivo tornou-se um chavão para quem quer vender vinho ou descrevê-lo. Sem dúvida que a sua utilização tem sido abusiva e inapropriada em muitos casos, especialmente quando o vinho que está a ser descrito não apresenta característica organolética alguma que justifique a sua utilização. De qualquer forma, este termo que surgiu no mundo vínico na última década, tem gerado enorme discussão e está longe de se chegar a um consenso.

Apesar de muitos vinhos de topo mundial terem esta característica bem vincada, e esta ser reconhecida por provadores experientes, alguns cientistas não aprovam a sua utilização e resumem a sua ligação com os vinhos a mero romantismo. Alex Maltman, geólogo galês e autor de dois estudos publicados no Journal of Wine Research, sustenta que nem as plantas são capazes de transformar em aromas os minerais absorvidos no solo, nem as rochas que o compõe têm qualquer capacidade de agregar algum tipo de cheiro ou sabor ao vinho.

“Está cada vez mais na moda o uso do termo mineralidade na degustação dos vinhos. E a palavra leva o degustador a sustentar uma tese: a sensação é fruto do sabor dos minerais no vinho, que seriam transportados das rochas e solos através da planta. No entanto, há uma razão muito simples para que isso não possa acontecer: os minerais presentes no vinho são elementos nutrientes – tipicamente catiões metálicos – e distantemente relacionados com os minerais geológicos da vinha, que são compostos cristalinos complexos. O elemento mineral no vinho normalmente tem concentrações minúsculas e carece de sabor. As tentativas de explicar a perceção da mineralidade envolvendo alusões a materiais geológicos são irrelevantes. Seja o que diabos for, a tal mineralidade não tem, de forma alguma, qualquer relação com os minerais extraídos pela videira”.

De opinião contrária é austríaco Nikolaus Saahs, da Nikolaihof:

“Muitos dos nossos vinhos trazem um forte componente mineral. E isso está diretamente associado ao solo. Tenho plena convicção disso e vou mais longe. Acredito que produtores que não usem aditivos, pesticidas e fertilizantes químicos, tendem a ter videiras mais fortes que sejam capazes de absorver em plenitude os minerais presentes no solo. E esta absorção revela-se na hora em que fazemos o vinho, também de forma menos intervencionista, com leveduras indígenas, sem clarificação, colagens ou filtrações”.

Guilherme Corrêa, da Wines By Heart também defende a mineralidade, dando exemplos de vários vinhos do mundo em que esta característica é notória:

“Não sabemos exatamente porque razão os vinhos dos Açores carregam um poderoso aroma e sabor de pedra-pomes, mas até o provador mais inexperiente consegue senti-lo. Da mesma forma, os aromas de ardósia serrada dos Riesling do Mosel, os aromas de giz de um Chablis, de sílica friccionada de um Pouilly-Fumé, de pedra calcária molhada de um Vitovska do Carso, de cantos rodados ao sol num Bordeaux, de pó de granito de um Nebbiolo da Valtellina.”

É evidente que é possível perceber estes aromas na prova e a utilização do termo faz sentido dada a sua ligação com a definição de terroir. Dado que a sua interpretação causa discórdia, creio que a utilização do termo “sensação de mineralidade” seria mais adequado e traria mais concordância à discussão.

Ricardo Ferreira, jovem escanção natural de Penacova, assina a rubrica de vinhos no Penacova Actual, sendo atualmente responsável pela carta de vinhos do Rossio Gastrobar do Altis Avenida.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui