Uma equipa de paleontólogos da Universidade de Coimbra descobriu um fóssil raro de uma barata primitiva, com 300 milhões de anos, na bacia do Buçaco, tendo esta descoberta sido foi publicada na revista científica Historical Biology.

Publicidade

De acordo com o investigador do Centro de Geociências da Universidade de Coimbra Pedro Correia, este fóssil raro de barata corresponde a uma nova espécie, que levou o nome Poroblattina anadiensis. “O nome específico anadiensis deriva da localidade-tipo onde foi descoberto o novo fóssil na região de Algeriz”, no concelho de Anadia, distrito de Aveiro.

Esta barata ancestral das baratas actuais pertenceu a um grupo já extinto, conhecido vulgarmente como “roacóides”, que tinha uma particularidade de possuir um ovipositor, segundo Pedro Correia. “Este insecto fóssil pertence a um grupo extinto de baratas parasitóides e ancestral das baratas modernas que existiu no final do Paleozóico, durante o período Carbónico”, acrescentou o investigador.

O paleontólogo explicou que as baratas parasitóides estão entre os insectos alados (com asas) mais antigos que viveram nas grandes florestas tropicais do Carbónico, conhecidas como Florestas de Carvão.

“Os ovipositores foram uma estratégia evolutiva para os dictópteros primitivos obterem uma fonte segura de alimento para as suas crias, mas também permitir a sua segurança contra potenciais predadores. É possível também que um clima progressivamente mais quente e seco que caracterizou a região do Buçaco, no final do período Carbónico, tenha conduzido ao aparecimento de grupos específicos de insectos, tais como os dictópteros, a desenvolver órgãos ovipositórios”, afirmou o paleontólogo.

O novo fóssil, uma asa com cerca de dois centímetros de comprimento, foi descoberto no âmbito do programa Verão com Ciência, da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, que possibilita a jovens estudantes universitários iniciarem-se na investigação científica.

Publicidade
Artigo anteriorOpinião: O Tigre de Papel
Próximo artigoSal e açúcar nos alimentos foram reduzidos 11% em três anos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui