Eu sou um carrinho de bebé
Ucraniano
Ainda tenho capa azul pra chuva
E assento embora esfarrapado
E cobertura amarela

Publicidade

Já passeei em jardins bonitos
Em parques de sonho
Em ruas engalanadas com calçada rica
Em bosques idílicos
Em campos risonhos de girassóis

!… mas nunca em campos de guerra …!

Sem complacência
Sem humanidade
Servi a minha dona em Cherniiv, perto de Kharkiv
E cheguei sem saber bem como
Deixado na fuga desenfreada
À estação de comboios de Kiiv,
Junto à Polónia
E à civilização
Onde fiquei encostado à parede
Sem uma roda…

Agora estou na Praça Central
Junto a muitos heróis
Com a noção do dever cumprido
Na minha “parada”
Estão mais 108 colegas
Que também não sabem como cá chegaram
Representamos a luta contra a falta de vergonha
Já não a cegonha

E as vítimas dos ataques traiçoeiros
!… as nossas queridas Crianças …!
A nossa função actual

Já não é passear
É só recordar
A esses adultos com cabeça de chimpanzés
Que mataram sem razão os nossos bebés

Estou triste
Revoltado
Zangado
Furioso
E sinto-me insultado
Por tanta esquizofrenia
Que ataca seres indefesos
Ai quem me dera ser tanque de guerra

Ser valente
E ter hipóteses de aniquilar
Gentes tão imprudentes
Contaram-me aqui, já
Que a nossa espécie na paz
Tem sido dizimada
Por soldados jovens impreparados
Mas não esmorecemos
Não nos submeteremos
Vamos continuar a nossa função
De ajudar a transportar a gratidão

O amor
O sorriso
Numa palavra só a infância
Neste mundo perigoso
Tenebroso
Sem nexo
Sem rumo
Sem coração

E fazê-mó-lo sem favor
… agora ainda com mais emoção!

Luís Pais Amante

A propósito da homenagem de 109 carrinhos de bebé, na Praça Central de Lviv, recordando as crianças já mortas na guerra da Ucrânia.

Publicidade
Artigo anteriorPrograma “Aldeia Segura, Pessoas Seguras” avança em Penacova
Próximo artigoRegiões de Coimbra e Leiria reúnem-se em cimeira com aeroporto no Centro em cima da mesa

3 COMENTÁRIOS

  1. Luís, os teus versos sobre esses carrinhos
    vazios mas cheios de significados, tocaram-me
    profundamente e as lágrimas caíram já ao ler as suas primeiras palavras. Este poema deveria estar escrito em todas as paredes do mundo, em todas as escolas militares, em todos os parlamentos, em todos os gabinetes de presidentes… talvez com isso carrinhos vazios existissem apenas para acolher vida e amor.

  2. Meus parabéns meu amigo Dr.Luís, esse guerreiro poeta fez uma homenagem as crianças de Ucraniana.
    Esses carrinhos vazios ficaram nas memórias do Mundo Inteiro.
    Esperemos todos os Países do Mundo ajudem essa guerra termine o mais rápido possível.
    Eu aplauso de pé ao Povo Ucranianos principalmente ao Presidente Ucraniano, está dando seu suor nessa luta

  3. Luís, estes carrinhos coloridos mas vazios expressam a dor e a tristeza que sentimos pelo destino das vidas que protegiam.Onde andarão seus ocupantes agora? Difícil assimilar esta realidade. Seu poema deixa marcada esta ocorrência para a lembrança da humanidade. Abraço amigo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui