A Assembleia Intermunicipal (AI) da CIM Região de Coimbra aprovou, por maioria, uma moção por um processo de descentralização de competências construtivo e dialogante, nomeadamente no que diz respeito às competências na área da saúde.

Publicidade

Recorde-se que a formalização da transferência de competências no domínio da saúde está dependente da assinatura, pelo Ministério da Saúde, Administração Regional da Saúde e pelos Municípios, do auto de transferência, o qual deve contemplar a identificação dos recursos humanos, patrimoniais e financeiros, a definição dos instrumentos financeiros utilizáveis, os níveis de prestação dos serviços no que se refere às competências transferidas, nomeadamente, no que se refere à gestão e conservação das instalações e equipamentos.

Tal deve ser feita por negociação individual com cada município, sabendo que a Administração Central tem a previsão de um valor total de 93 milhões de euros para transferir para os 201 municípios que podem desempenhar esta competência.

«Não existe qualquer dúvida que o processo de transferência de competências irá abrir caminho a uma descentralização efetiva, condição essencial para o desenvolvimento local e regional coeso, que irá valorizar e promover a qualidade da gestão pública, garantindo e aprofundando os direitos das populações e assegurando a universalidade dos direitos sociais constitucionalmente protegidos, o que se pretende. Todavia, existem as maiores reservas quanto a um processo de transferência de competências de mera execução (física e financeira) mantendo o poder de decisão, em última instância, no Governo e na Administração Central», esclarece o presidente da AI, Luís Marinho.

Nesse sentido, os deputados da Assembleia Intermunicipal realizada no dia 21 de abril, deliberaram: Manifestar o empenhamento dos Municípios num processo negocial construtivo e dialogante, na descentralização de competências em curso; Manifestar-se contra um processo de transferência de atribuições e competências sem a garantia comprovada da dotação das autarquias com os meios indispensáveis ao seu pleno exercício, presente e futuro e garantir que, para além dos meios atrás referidos, é cumprido o princípio de universalidade no acesso dos cidadãos aos cuidados de saúde; Salvaguardar a “negociação” individual de cada Município de forma a garantir a identificação dos recursos humanos, patrimoniais e financeiros, a definição dos instrumentos financeiros utilizáveis, os níveis de prestação dos serviços no que se refere às competências transferidas, nomeadamente, no que se refere à gestão e conservação das instalações e equipamentos; Exigir a definição concreta da atribuição de responsabilidades de decisão entre os vários níveis de administração em defesa da autonomia dos municípios e das freguesias.

Desta forma, os deputados da AI da Região de Coimbra pronunciam-se contra este processo que afetará a região no seu todo e vão enviar a moção para o Presidente da República, o presidente da Assembleia da República, o primeiro-ministro, a ministra da Saúde, a ARS e os ACES, para apresentar esta posição.

Publicidade
Artigo anteriorPrazo para limpeza de terrenos florestais termina no sábado
Próximo artigoAnel de segurança deixa aldeia do Chainho mais “descansada” em caso de incêndio

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui