Representantes dos atores, bailarinos e músicos em Portugal lançam hoje uma campanha vídeo em defesa de uma remuneração justa e equilibrada destes profissionais, pela utilização das suas obras online, de cujas receitas só recebem 10%.

Publicidade

O objetivo da iniciativa é “mobilizar a opinião pública contra a exclusão dos artistas do Mercado Único Digital (MUD)”, anunciou a Gestão dos Direitos dos Artistas (GDA), em comunicado, alertando para o facto de as receitas geradas online serem repartidas em 60%, pelas editoras, 30%, plataformas, como a Spotify, Deezer, Apple Music e Amazon Music, sobrando apenas 10% para os criadores dos conteúdos.

A campanha pelo “streaming justo” com vídeos de rua defende que a utilização ‘online’ das obras dos artistas – onde se incluem os portugueses – seja remunerada de forma justa e equilibrada, de acordo com os propósitos da diretiva europeia dos direitos de autor e direitos conexos para o MUD.

Aprovada pelo Parlamento Europeu e pela Comissão Europeia em 2019, esta diretiva continua sem ser transposta para Portugal, apesar de Bruxelas já ter aberto um procedimento por infração ao Estado português devido ao atraso.

“Com a mudança de hábitos provocada pela pandemia, os artistas ficaram cada vez mais dependentes do mercado digital: se não forem remunerados com justiça pelo negócio que geram, ficarão condenados para o futuro e impossibilitados de continuarem a fazer música, dançar ou representar”, afirma Pedro Wallenstein, presidente da GDA, a entidade que em Portugal gere os direitos de propriedade intelectual de atores, bailarinos e músicos.

Esta iniciativa pretende sensibilizar decisores políticos, os próprios artistas e a sociedade em geral para a situação de “injustiça na economia do streaming”, chamando a atenção para os benefícios que a diretiva europeia pode trazer para a proteção profissional dos artistas”.

“A GDA apela ao novo Governo que, ao propor à Assembleia da República a transposição da Diretiva MUD, garanta duas coisas simples: que os artistas que hoje recebem pouco pela utilização ‘online’ das suas obras passem a receber mais, de uma forma justa e proporcionada; e que a maioria dos artistas, que nada recebe, passe a receber direitos sempre que as obras em que participa gerem receitas no ‘online’”, afirma Pedro Wallenstein.

Nos vídeos da campanha “Streaming Justo – Por um Mercado Digital Justo”, a maioria das pessoas interrogada nas ruas desconhece que, aos artistas, só chegam em média 10% do dinheiro gerado e que a “fatia de leão” é entregue a editoras como a Sony, a Universal ou a Warner.

Segundo a GDA, a maioria das pessoas ouvidas nos vídeos considera a situação “completamente injusta” e “uma exploração dos artistas”, havendo quem afirme que “à cultura não é dado o devido valor”, e que o desequilíbrio da repartição de receitas é “um golpe da tecnologia na criatividade e nos direitos” dos artistas.

Para Pedro Wallenstein, “tem de haver um ‘reset’ da indústria de streaming: se em Portugal esta continuar a prejudicar claramente os artistas, o mercado digital no âmbito da cultura continuará a espoliar os criadores a favor dos intermediários”.

Publicidade
Artigo anteriorFutsal: Iniciados da equipa de Miro conquistam título de campeões distritais
Próximo artigoPrazo para limpeza de terrenos florestais termina no sábado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui